Rádio Observador

Procriação Medicamente Assistida

Ronaldo podia recorrer a barriga de aluguer em Portugal?

150

A gestação de substituição em Portugal está há quase um ano à espera da regulamentação do Governo. Mas mesmo que já tudo estivesse definido, não servia de muito a Ronaldo.

SERGIO BARRENECHEA/EPA

A gestação de substituição (vulgarmente conhecida por barrigas de aluguer) foi aprovada em julho passado no Parlamento, mas continua sem regulamentação e, por isso, não é ainda possível em Portugal. Mesmo que fosse, a lei portuguesa limita o acesso às barrigas de aluguer a mulheres que apresentem graves problemas de saúde, como a ausência de útero, lesões ou outras doenças graves que impossibilitem a gravidez. Ou seja, respondendo diretamente à pergunta que faz o título deste artigo: não, Cristiano Ronaldo não podia recorrer a uma barriga de aluguer no seu país.

Sábado à noite, a SIC adiantou que Cristiano Ronaldo foi pai de gémeos, na quinta-feira passada, que terão sido concebidos através de uma barriga de aluguer.

A história deste tema em Portugal é longa, já por várias vezes no passado — e no âmbito de outros debates sobre a Procriação Medicamente Assistida (PMA) — o tema tinha sido discutido pelo Parlamento, mas sem nunca se passar daí. No ano passado, o Bloco de Esquerda fez um projeto de lei para retirar os limites que existiam para quem recorre a técnicas de PMA (estavam vedadas a mulheres solteiras), aproveitando para avançar com a regulação da gestação de substituição.

O projeto foi aprovado pela esquerda, com a ajuda de 20 deputados do PSD, mas quando chegou a Belém, para promulgação, o Presidente da República vetou-o e pediu que fossem acolhidas as recomendações do Conselho Nacional de Ética e para as Ciências da Vida (CNECV).

“Não estão salvaguardados os direitos da criança a nascer e da mulher gestante, nem é feito o enquadramento adequado do contrato de gestação”, justificou então Marcelo Rebelo de Sousa que, por exemplo, queria ver acautelado no diploma mais detalhes sobre as condições do contrato a ser firmado entre os beneficiários da barriga de aluguer e a gestante, bem como queria ver salvaguardados os direitos da gestante durante a gravidez.

O Bloco de Esquerda não esperou muito para voltar a pegar no diploma, introduziu seis alterações e, no final de julho do ano passado, voltou a conseguir aprovar em plenário as barrigas de aluguer. O texto final definia que a gestante renuncia aos poderes e deveres de maternidade, não pode ser dadora de ovócitos para a gestação que vai acolher e aceita ser barriga de aluguer de forma gratuita. Também determinou as três situações em que se pode recorrer a esta hipótese: quando a mulher não tem útero, tem uma lesão ou quando este órgão apresente alguma doença “que impeça de forma absoluta e definitiva a gravidez”.

Além disso, o Bloco respondeu a algumas reservas de Marcelo Rebelo de Sousa, sobretudo em relação ao consentimento informado. Assim, no texto passou a constar que os beneficiários e gestantes são informados por escrito sobre a influência da gestante no desenvolvimento do bebé, bem como o que acontece em caso de ocorrência de malformações no feto e em caso de eventual interrupção voluntária da gravidez ou ainda sobre a proibição de imposição à gestante de substituição de restrições de comportamentos.

Como isto tudo é depois passado à prática é o que ainda falta saber, já que ainda falta a regulamentação por parte do Governo. Já foi ultrapassado o prazo de 120 dias para a regulamentação que constava no diploma publicado em agosto do ano passado. Mas mesmo que já tudo estivesse pronto, o futebolista Cristiano Ronaldo só poderia aceder a esta técnica em solo nacional caso uma companheira sua apresentasse um dos três problemas especificados na lei. Para um pai solteiro, não há solução.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rtavares@observador.pt
Politicamente Correto

Os filhos do Vasco Granja /premium

Helena Matos

O reitor proibiu a carne de vaca. Os alunos se pudessem proibiam toda a carne. Em Portugal, eles são os filhos e netos do Vasco Granja. Gerações que, entre muita animação, estão a impor uma ditadura.

Turismo

A turistificação da economia algarvia

António Covas

Não é tarefa fácil falar de diversificação da base económica regional quando a atividade turística é aquela que remunera mais rapidamente as pequenas poupanças e os pequenos investimentos realizados.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)