Rádio Observador

Incêndios

Comando único para fogos: Capoulas abre porta que Constança fechou

Ministro da Agricultura disponível para debater uma proposta de comando único para combater e prevenir incêndios, mesmo depois de ministra da Administração Interna o ter recusado.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

O ministro da Agricultura é bem menos taxativo do que a sua colega da Administração Interna quanto à possibilidade de se criar um comando único para prevenir e combater incêndios florestais. Esta quarta-feira, numa audição no grupo de trabalho para a reforma florestal, Capoulas dos Santos mostrou “disponibilidade” para estudar uma proposta “quantificada” que os partidos com assento parlamentar possam apresentar nos próximos dias.

A questão foi levantada por parte de vários deputados presentes na reunião, concretamente os que ali estavam em representação do PS, PSD e PCP. A justificação para a pergunta era o interesse que a existência de um comando único tinha suscitado por parte de muitas das entidades ouvidas pelo Parlamento durante o processo de audições para a reforma florestal. Os partidos sondaram Capoulas e o ministro começou por responder que a questão “transcende o Ministério da Agricultura”, mas admitiu que “todos gostaríamos de ter um corpo, paralelo ao atual corpo de bombeiros, dedicado exclusivamente à floresta, mas estaremos em condições de satisfazer o custo que isso representa?”

Apesar das dúvidas, o ministro da Agricultura mostrou-se disponível para debater propostas de alteração que vão nesse sentido — “se as propostas vierem quantificadas teremos disponibilidade para as debater”. Isto apesar de, na semana passada, a ministra da Administração Interna ter rejeitado a possibilidade de ser criado um comando único que o próprio Parlamento recomendou de forma unânime ao Governo anterior do PSD/CDS, em 2014. No final da audição, confrontado pelo Observador com as declarações de Constança Urbano de Sousa — que se mostrou inabalável na defesa do comando tripartido –, o ministro Capoulas dos Santos defendeu que, “neste momento da discussão, o Governo deve estar aberto a todas as propostas“. E quanto ao modelo que poderia ser mais viável, o ministro diz que é preciso “passar do slogan”, ou seja, explicar em detalhe uma proposta dessa natureza.

“Se houver uma proposta suscetível de melhorar o que existe, apreciaremos.”, repetiu Capoulas, que se mostra confortável com a atual solução, sublinhando que o Governo não propôs alterações a este nível: “Até prova em contrário esta é a que funciona“, a atual reforma da floresta foi “amplamente debatida em 2007 e teve consenso”. Na audição, o ministro tinha já dito que “propor um cenário ideal é fácil para todos”, insistindo com os partidos interessados em apresentar iniciativas legislativas nesse sentido, que o façam com um cálculo de custos.

Até aqui, a ação no combate e prevenção de incêndios está dispersa por três entidades que, por sua vez, têm duas tutelas diferentes. A prevenção estrutural é feita pelo Instituto de Conservação da Natureza, tutelado pela Agricultura, a operacional é da GNR, tutelada pela Administração Interna, e o combate aos incêndios está a cargo da Proteção Civil, que também responde perante o MAI.

Os partidos têm até à próxima terça-feira, dia 11, para apresentar propostas de alteração à reforma florestal do Governo, para serem discutidas e votadas na comissão de Agricultura entre 12 e 14 de julho. Isto para que já a 19 deste mês possam ser aprovadas na sua versão final pelo Plenário da Assembleia da República. Na audição desta quarta-feira, Capoulas dos Santos prometeu cancelar “tudo” o que tenha a ver com a agenda do seu ministério para as “horas de negociação necessárias para um bom entendimento” quanto a esta reforma.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rtavares@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)