Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Super Bock Super Rock é de todos e de nenhuma tribo urbana em particular. No último dia do festival, o estilo de quem passou pelo Parque das Nações deixou isso bem claro. Se os fãs de Daftones se vestiram maioritariamente de preto, quem saiu de casa para arrasar na pista, ao som de Fatboy Slim, pensou essencialmente no conforto. No meio, ficou a ligeireza do indie rock dos Foster the People e dos brasileiros Silva e Seu Jorge, que trouxeram muito boa gente ao festival.

Saíram à rua as t-shirts pretas e os batons escuros, mas também as franjas e os quimonos. No último dia, comprovámos que não é preciso chegar à idade adulta para se ter um sentido de estilo apurado e confirmámos o que tínhamos como quase certo: além da música, a personalidade também conta para o styling. Resta concluir que o dress code de um festival de verão já não é o que era e, na maioria dos casos, ainda bem.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR