O artista norte-americano Shepard Fairey, criador do cartaz “Obama Hope”, está esta terça-feira a pintar dois murais em Lisboa – um a meias com o português Alexandre Farto (Vhils) -, a propósito da sua primeira exposição a solo em Portugal.

O trabalho de Shepard Fairey, de 47 anos, reconhecido artista urbano e designer gráfico, que vive e trabalha em Los Angeles, combina elementos do graffiti e da pop art, sendo uma das suas obras mais famosas um retrato de Barack Obama (“Obama Hope”), a vermelho, branco e azul, espalhado pelos Estados Unidos em formato cartaz, durante a campanha das eleições presidenciais de 2008.

Crédito: Shepard Fairey/Wikimedia Commons

Na sexta-feira, Shepard Fairey inaugura, na galeria Underdogs, “Printed Matters – Lisbon”, parte de uma série contínua de exposições que é também o nome do projeto que iniciou em 2010 e foi apresentado pela primeira vez em Los Angeles. Até sexta-feira, vai andar pela zona da Graça, em Lisboa, onde vai deixar dois murais.

Na parede lateral de um prédio de três andares, na rua Senhora da Glória, estava esta terça-feira quase terminado o rosto de uma mulher, dividido em dois, metade da autoria de Shepard Fairey e a outra de Vhils.

O segundo mural, o retrato de uma mulher fardada, com uma boina revolucionária na cabeça e uma metralhadora com uma flor no cano na mão, ocupa a parede lateral de um edifício de quatro andares, na rua Natália Correia.

Shepard Fairey tornou-se conhecido com o projeto Obey, que iniciou em 1989 com um ‘sticker’ (autocolante) criado pelo artista, quando estudava na Rhode Island School of Design, e acabou por se tornar uma campanha de arte de guerrilha, a nível mundial.

Em 2001, criou a marca Obey Clothing, que é uma extensão do seu trabalho, usando a roupa como mais uma tela para espalhar a sua arte e mensagens de cunho ativista.

Recentemente, a marca lançou uma t-shirt com um retrato do realizador norte-americano David Lynch, cujos lucros da venda revertem na totalidade a favor da Fundação David Lynch, dedicada a reduzir os sintomas do stress pós-traumático em populações de risco através da meditação.

Em 2012, Shepard Fairey teve direito a uma personagem na série televisiva de animação The Simpsons e, no ano passado, foi convidado pelos Black Sabbath para criar um cartaz e uma t-shirt para a última digressão mundial da banda, que terminou em fevereiro.

Em janeiro, criou a série de cartazes “We the People” (“Nós, o Povo”) em protesto contra a eleição de Donald Trump como presidente dos Estados Unidos.

Na altura, os cartazes — com retratos de afro-americanos, latinos e nativos americanos, acompanhados de frases como “somos maior que o medo” ou “defendemos a dignidade” – foram disponibilizados para descarga gratuita na página oficial do artista, que incitava as pessoas a usarem-nos na Marcha das Mulheres, a 21 de janeiro.

Shepard Fairey está em Portugal a convite da plataforma Underdogs, que tem como responsáveis a francesa Pauline Foessel e Vhils.

A Underdogs é um projeto cultural que se divide entre arte pública, com pinturas nas paredes da cidade, exposições dentro de portas, no n.º 56 da rua Fernando Palha, um antigo armazém recuperado e transformado em galeria, e a produção de edições artísticas originais.

A plataforma tem também uma loja, na rua da Cintura do Porto de Lisboa, e começou em 2015 a organizar visitas guiadas de Arte Urbana em Lisboa.

A exposição de Shepard Fairey estará patente entre sexta-feira e 31 de julho e de 01 a 23 de semebro, já que a galeria estará encerrada em agosto.