Tráfico Humano

Quatro pessoas encontradas vivas no camião estacionado no Texas com migrantes

O condutor do camião que foi encontrado num parque de estacionamento no Texas, nos Estados Unidos, com imigrantes ilegais foi acusado de tráfico de seres humanos e da morte de pelo menos 10 pessoas.

A temperatura no interior do camião terá atingido os 65 graus Celsius

DARREN ABATE/EPA

O presumível condutor do camião que foi encontrado num parque de estacionamento no Texas, nos Estados Unidos, com imigrantes ilegais foi acusado esta segunda-feira de tráfico de seres humanos e da morte de pelo menos 10 pessoas.

Quatro pessoas foram encontradas vivas no camião de carga. O diretor do Departamento dos Assuntos Migratórios do Estado mexicano de Aguascalientes, José Francisco Ortiz, disse que os quatro migrantes foram hospitalizados, mas não correm perigo de vida. A fonte adiantou que o Governo local está a procurar obter vistos humanitários para os familiares das vítimas poderem visitá-los aos Estados Unidos.

O condutor, identificado como James M. Bradley Jr, 60 anos, foi acusado ao abrigo de uma lei federal norte-americana relativa ao transporte ilegal de imigrantes com fins lucrativos. Esta lei prevê a aplicação da pena de morte ou da prisão perpétua caso o crime resulte em morte.

No domingo, 39 imigrantes ilegais foram encontrados no interior de um camião de carga sem ar condicionado que estava estacionado e exposto a altas temperaturas num parque de estacionamento de um supermercado de San Antonio, a duas horas da fronteira com o México.

Segundo o mais recente balanço do caso, fornecido esta segunda-feira pelas autoridades, o número de vítimas mortais aumentou para 10, com a morte de um homem que estava internado num hospital da cidade texana de San Antonio.

A par das vítimas mortais, que perderam a vida aparentemente por asfixia ou insolação, os restantes foram hospitalizados, dos quais vários estão em estado crítico. No interior do camião também estavam menores.

De acordo com os bombeiros locais, a temperatura no interior do camião terá atingido os 65 graus Celsius.

James Matthew Bradley Jr., oriundo do Estado da Florida, foi presente a um juiz federal para ouvir formalmente as acusações e vai permanecer detido.

Documentos do processo criminal federal, citados pela agência noticiosa norte-americana Associated Press, indicam que o condutor disse aos investigadores que não sabia que existiam pessoas no interior do camião. E que só se deu conta das pessoas quando estacionou e saiu do veículo pesado para urinar.

Os mesmos documentos indicam que James Matthew Bradley Jr disse aos investigadores que o camião tinha sido vendido e que estava a transportar o veículo do Estado do Iowa até Brownsville, no Texas. O motorista relatou que ouviu barulhos no interior do camião e que ficou surpreendido quando abriu as portas e foi derrubado por pessoas que falavam espanhol.

Os mesmos documentos revelam ainda que o condutor não fez qualquer chamada para os serviços de emergência, apesar de ter consciência de que várias pessoas estavam mortas.

O secretário da Segurança Interna dos Estados Unidos, John Kelly, disse que este caso revela a “brutalidade” dos traficantes de pessoas.

“Esta tragédia mostra bem a brutalidade do tráfico. Os traficantes não têm qualquer respeito pela vida humana e procuram unicamente o lucro financeiro”, acrescentou o representante.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)