Com empresas como a Google ou a Uber a apostarem fortemente na condução autónoma, visando a oferta no futuro de um serviço de transporte de passageiros sem qualquer condutor, surge agora o fabricante de pneus alemão Continental a juntar-se aos esforços nesse sentido. Mais concretamente, dando a conhecer a sua interpretação daquilo que poderá ser o “táxi do futuro”, a que deu – apropriadamente – a denominação de Cube Autonomous Concept. Não apenas autónomo, mas também eléctrico, o protótipo deverá entrar em breve em testes, nas instalações da empresa, em Frankfurt, na Alemanha.

Proposta de linhas rectas, como forma de garantir o máximo de espaço interior – ainda que, em termos estéticos, mais pareça um caixote envidraçado com rodas -, o Cube destina-se a uma utilização claramente urbana, prometendo oferecer um ambiente mais acolhedor e confortável do que em qualquer modelo tradicional. Isto apesar de a Continental não mostrar qualquer imagem do habitáculo…

“Acreditamos que os automóveis serão muito mais do que uma forma de transporte, no futuro”, afirma o responsável máximo pelo desenvolvimento de novos negócios e marketing na divisão ContiTech, da Continental, Alexander Jockisch. Acrescentando que “o foco tenderá a mudar na direcção da privacidade, relaxamento, comunicação e trabalho a bordo, levando a que o interior de um meio de transporte venha a ser diferente daquilo que é actualmente”. Ou seja, antecipa, “as pessoas passarão a fazer coisas diferentes, quando a bordo de um automóvel, do que fazem hoje em dia”.

Quanto à tecnologia de tecnologia autónoma, a Continental revela apenas que o Cube utiliza sensores a laser e sistemas de assistência à condução, alguns deles já presentes hoje em alguns veículos. Sendo que a companhia planeia continuar o respectivo desenvolvimento, com o objectivo de levar todos estes componentes a funcionarem de forma mais integrada e eficiente.

Na perspectiva da Continental, o Cube pode ser a solução ideal para aliviar o intenso tráfego que em direcção às grandes cidades, ajudando a promover a troca do transporte próprio por este tipo de veículos de condução autónoma. Sendo que, pelo facto de ser eléctrico, também contribuirá para a melhoria da qualidade do ar.

Numa fase inicial, o Cube será testado nas instalações da empresa, onde, aliás, terá sido criado um espaço que simula a realidade de uma cidade, incluindo o tráfego. Algo que deverá permitir à Continental avaliar a tecnologia utilizada na concepção do modelo, em condições próximas da realidade, sem qualquer perigo.