O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, considerou uma “grande vitória” o sexto teste nuclear realizado pelo país, no domingo passado, admitindo que foi feito “à custa do sangue” dos norte-coreanos.

Num banquete realizado hoje na capital, Pyongyang, para assinalar o 69.º aniversário do país, Kim Jong-un afirmou que o teste foi “uma grande vitória conseguida pelo povo coreano à custa do seu sangue”.

O teste com uma bomba de hidrogénio foi o mais potente já realizado pelo regime norte-coreano e suscitou a condenação da comunidade internacional, aumentando a tensão na região.

Kim Jong-un apelou aos engenheiros para “redobrarem o esforço sem perder o espírito demonstrado” no que chamou “um grande evento da história nacional”.

Nas imagens do banquete divulgadas pela televisão estatal, vê-se Kim Jong-un a ser recebido com aplausos pelos participantes, ladeado por representantes do exército, do partido único e pelos responsáveis pelo programa nuclear.

O regime defende que as armas nucleares tornam o país “mais seguro” e pretende criar um arsenal mais sofisticado.

Na segunda-feira, o Conselho de Segurança das Nações Unidas vai reunir-se para votar sanções adicionais à Coreia do Norte.