Música

Oiça e compare as 11 músicas que Tony Carreira é acusado de plagiar

3.759

O Ministério Público acusou Tony Carreira de plágio. Ao todo são 11 canções, todas elas de autores e compositores estrangeiros. Reunimos todos os temas alegadamente plagiados para que oiça e compare.

Entre os temas alegadamente plagiados estão sucessos como "Sonhos de menino"

Gerardo Santos / Global Imagens

Tony Carreira terá plagiado 11 músicas: é esta a convicção do Ministério Público, que esta quarta-feira tornou pública a acusação. No processo está também envolvido o compositor Ricardo Landum.

O despacho de acusação a que o Observador teve acesso nomeia todos os temas indiciados no processo e que reunimos em baixo, para que possa ouvir e comparar.

Adeus até um dia/Tzigane

“Tzigane” é um tema de 1993, da autoria de Jean-Michel Emile Claude Berriat e interpretado por Frédéric François.

Depois de ti mais nada/Después de Ti… Qué

“Después de Ti… Qué” (2000) é da autoria de Rudy Amado Perez.

Esta falta de ti/Toi qui manque à ma vie

“Toi qui manque à ma vie” (2000), Julie Mabel Dolores Gaillard D’Aime e Natasha St-Pier.

Já que te vais/Puisque tu pars

“Puisque tu pars” (1987), Jean Jacques Goldman.

Leva-me ao céu/Suddenly you love me

“Suddenly you love me”, Daniela Pace e Lorenzo Pilat.

Nas horas de dor/City of New Orleans

“City of New Orleans” (1978), Steve Goodman e Willie Nelson.

O anjo que eu era/Regarde toi

“Regarde toi”, Jean-François Bernard Berger/Gray Felix e David Charget.

Por ti/Je t’aime

“Je t’aime”, Lara Fabian e Rick Allison.

Porque é que vens/Ne viens pas

“Ne viens pas”, Dean Landon e Roch Voisine.

Se acordo e tu não estás/Me muero

“Me muero”, Maria Graciela Galan Cuervo e Joaquin Galan Cuervo.

Sonhos de menino/L’Idiot

“L’Idiot” (1981), Hervé Vilard e Henri Didier René.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
IAVE

Errare humanum est… exceto para o IAVE!

Luís Filipe Santos

É grave tal atitude e incompreensível este silêncio do IAVE. Efetivamente, o que sempre se escreveu nos anos anteriores neste contexto foi o que consta na Informação-Prova de História A para 2018.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)