Escravatura

Três portugueses detidos em Espanha por explorar outros 40 portugueses

LTrês cidadãos portugueses foram detidos pela Guardia Civil em La Rioja, acusados de manter em condições de semi-escravatura outros cerca de 40 portugueses para trabalhar naquela região.

A polícia espanhola não especificou a data das detenções dos três portugueses

Miguel Pereira da Silva/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Três cidadãos portugueses foram detidos pela Guardia Civil em La Rioja, acusados de manter em condições de semi-escravatura outros cerca de 40 portugueses para trabalhar naquela região, informou esta sexta-feira a polícia espanhola.

Efetivos da Guardia Civil em La Rioja, no quadro da Operação “FIMDEL”, procederam ao desmantelamento de uma nova rede de exploração laboral radicada nesta província, que se saldou na detenção de três homens de 40, 49 e 54 anos, naturais de Portugal e residentes em La Rioja, como alegados autores num delito contra os direitos dos trabalhadores”, informou a polícia espanhola em comunicado.

As autoridades espanholas explicaram que o “responsável pela rede captava vítimas no seu país de origem, escolhendo principalmente homens em risco de exclusão social, facilmente influenciáveis, com escassa qualificação laboral e, em algumas ocasões, dependentes do álcool”.

O cabecilha português aliciava os trabalhadores com a promessa de boa remuneração (essencialmente em trabalhos agrícolas), alojamento e seguro, mas quando chegavam à região de La Rioja (conhecida por ser a zona vinícola de Espanha) eram “amontoados” em duas casas, em Entrena e Sorzano, “nas quais sofriam situações de semi-escravatura e péssimas condições de higiene e salubridade”.

As vítimas eram distribuídas por diferentes pontos de La Rioja como mão-de-obra barata para a realização de diversos trabalhos agrícolas, chegando a fazer jornadas de até 10 horas diárias por 50 euros, que na maioria dos casos se ficavam por 15 euros ou menos, após ser-lhes descontados gastos de alojamento, manutenção, tabaco, álcool e transporte”, relatou a Guardia Civil.

Além do responsável máximo da rede, foram detidos outros dois portugueses, “responsáveis pelo controlo e vigilância dos trabalhadores”. Os trabalhadores eram ameaçados e, em algumas ocasiões, impedidos de se relacionarem com amigos e família.

A polícia espanhola não especificou a data das detenções dos três portugueses, referindo apenas que as investigações e consequentes ações policiais começaram em junho passado.

As provas recolhidas desde junho – e os testemunhos de algumas das vítimas – permitiram a detenção dos três portugueses.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Escravatura

Fernando Rosas não entende o Marquês de Pombal

João Pedro Marques
698

Ao contrário do que diz Fernando Rosas, Portugal foi por intermédio do Marquês de Pombal o primeiro país ocidental a avançar no sentido da abolição e fê-lo por razões de ordem prática e de civilização

Escravatura

Lusotropicalismo ao contrário

João Pedro Marques
289

O Império Português em África não foi uma excepção no tristíssimo capítulo do trabalho coercivo, não obstante o que Fernanda Câncio e outros “lusotropicalistas ao contrário” nos querem fazer crer. 

Escravatura

Só 4% dos navios negreiros partiram de Portugal

João Pedro Marques
1.432

Dos séculos XVI a XIX, 37% das viagens de navios negreiros iniciaram-se no Brasil, 31% na Grã-Bretanha, 13% em França, 5% na Holanda, outros 5% nas Caraíbas e que só menos de 4% partiram de Portugal. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)