Rádio Observador

Videojogos

“South Park: The Fractured but Whole”. Provocar é preciso (e sim, o Kenny morre)

"South Park: The Fractured but Whole" é mais do que um trocadilho: é o segundo videojogo feito pela gigante francesa Ubisoft dedicada à provocatória série de animação.

South Park: The Fractured But Whole/Ubisoft

Autor
  • Rubber Chicken

Depois do sucesso crítico e comercial da primeira aventura em videojogo mais “a sério” da famosa série de animação de Trey Parker e Matt Stone, “South Park: The Stick of Truth”, que trouxe todo o elenco de South Park para a magia do faz-de-conta das brincadeiras de rua, chega um novo capítulo.

Três anos depois desse primeiro jogo produzido pela Ubisoft (provavelmente o jogo mais importante que a série teve) Cartman, Kyle, Stan, Kenny e dezenas de outros personagens que fazem a controversa história de South Park regressam novamente ao universo dos RPGs, mas deixam a fantasia de lado e abraçam a imaginação dos super-heróis, tão em voga no universo cinematográfico mainstream.

A curiosidade deste “The Fractured but Whole” (sendo que “but” é quase a palavra inglesa para “rabo” e “whole” diz-se da mesma maneira que “buraco”) é a forma como consegue representar as lutas titânicas fictícias passadas nas brincadeiras de rua que as crianças têm (ou tiveram) e com as quais muitos ainda se identificam. South Park é invadido por uma guerra de equipas de super-heróis e vilões super-poderosos que tentam controlar o mundo da única maneira que lhes é acessível: ter o máximo de seguidores possível no Coonstagram, a rede social lá do sítio e que é o medidor da popularidade dos grupos rivais.

Neste jogo voltamos a encarnar o silencioso “Miúdo Novo da Rua”, cujo aspeto físico podemos customizar à nossa vontade. Antes do lançamento do jogo já as redes sociais se incendiavam com uma provocação típica de “South Park”: a escolha do tom de pele decretaria quão difícil o jogo seria: se branco-pálido, o jogo passa a ser Muito Fácil; se negro, o jogo passa a ser Muito Difícil. É claro que depois de muito debate em torno desta opção, os autores acabaram por admitir que isto era apenas uma piada política e social, e que as alterações práticas eram inexistentes durante todo o jogo, e que em nada alteravam o desafio que este representava.

É neste clima de humor errado que o jogo, assim como a série, se movimenta. Entre o nosso personagem ser aliciado para estar numa arrecadação mal-iluminada com 2 padres católicos, passando pela facto do personagem Jimmy Valmer, um dos personagens com deficiência física da série de animação, ter um alter ego em que é uma espécie de Flash chamado Fastpass.

South Park: The Fractured but Whole parece, no entanto, controlar-se muito em relação ao que nos habituou da série. O humor, ainda que muitas vezes a pisar o risco do politicamente incorreto, é muito mais refreado do que os momentos em que a série de animação esticou a corda, especialmente para o público norte-americano. As piadas aqui parecem sofrer por essa contenção: ficam sempre a meio termo entre o humor pueril e as fart jokes (considerando que o nosso protagonista possui uma flatulência especial que lhe permite dobrar a continuidade espaço-temporal), a piada fácil e recorrente de termos de utilizar todas as sanitas que encontrarmos, o humor mais típico da série de televisão.

Mecanicamente, o jogo sofre algumas diferenças face ao seu antecessor. “The Fractured but Whole” é um RPG em mundo semi-aberto em que podemos movimentar-nos para qualquer sítio de South Park que nos esteja acessível e fazer um conjunto de missões principais e secundárias (que passam por exemplo em arranjar espetáculos como comediante a um dos polícias da esquadra local), a procurar armários e gavetas por componentes que nos permitam fazer novos fatos de super-heróis e outros itens, além de interagir com os muitos cidadãos da pequena vila na tentativa de tirar uma selfie com eles e fazê-los nossos seguidores no Coonstagram.

O combate continua a ser por turnos mas com uma alteração em relação ao jogo anterior: em “The Fractured but Whole” todas as batalhas desenvolvem-se por turnos numa grelha quadriculada com 3 filas, e onde temos de posicionar os nossos personagens para fazer o melhor uso dos seus poderes e habilidades, num sistema mais tático que permite uma maior dimensão estratégica a todo o jogo.

“South Park: The Fractured but Whole” não é apenas um jogo com imenso conteúdo e com mais de vinte horas de diversão, mas é também um tributo a todo o universo de humor, indecência e provocação de “South Park”. O aparecimento de dezenas de personagens conhecidos, de localizações frequentes da série, associado a muitos pormenores que os mais acérrimos fãs da série vão perceber, tornam-no um objeto obrigatório para quem segue religiosamente as criações de Parker e Stone.

A diversão e a ligeireza com que o jogo consegue transportar toda a imaginação das brincadeiras de crianças, o faz-de-conta dos super-heróis com que todos nós ocupámos tardes no recreio, intercalados com momentos deliciosos como algumas lutas serem momentaneamente interrompidas com a passagem de um carro e todos os personagens terem de se deslocar para o passeio antes de resumirem a refrega que os leva ali. Estes são alguns dos elementos que fazem deste “The Fractured but Whole” não só um excelente jogo para os fãs de “South Park”, onde a tecnologia permite confundir visualmente o jogo com a própria animação original, mas também um excelente RPG por turnos com uma boa dimensão narrativa, mecânica e com um humor que só agradará a alguns, e que é, assim como a série de TV, destinado exclusivamente para adultos.

E não precisamos de muito tempo para perceber se e como é que aqueles sacanas vão matar o Kenny.

“South Park: The Fractured but Whole” está à venda para PS4, Xbox One e PC por 59,99€.

Ricardo Correia, Rubber Chicken

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)