Terá sido já em agosto, no rescaldo das falhas durante o combate aos fogos de Pedrógão Grande, que Constança Urbano de Sousa, então ministra da Administração Interna, decidiu criar um gabinete de gestão do SIRESP (Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal) dentro do próprio ministério — “uma proposta de enquadramento orgânico do SIRESP no âmbito da Secretaria-geral do MAI (SGAI), com competências de fiscalização e supervisão da operadora e de interface com os utilizadores” terá sido o que solicitou na altura.

A criação da equipa, composta por 16 pessoas, entre militares da GNR e agentes da PSP, devia ter sido feita num prazo de 60 dias mas só agora, já depois dos incêndios de outubro, aconteceu, noticia esta sexta-feira o Público.

De acordo com o jornal, o despacho que formaliza a equipa, que dará “suporte e apoio permanente aos utilizadores do SIRESP”, 24 horas por dia, todos os dias do ano, foi assinado no passado dia 16, apenas 48 horas antes da demissão da ministra, pelo secretário de Estado, também demissionário, Jorge Gomes.

A equipa, que vai trabalhar no Centro de Operações e Gestão (COG) do SIRESP, integrado no Ministério da Administração Interna, terá funções operacionais, de “ligação aos utilizadores”, e não de fiscalização. Essa tarefa, informa o despacho, vai continuar a caber à Equipa Multidisciplinar de Comunicações Críticas, da SGAI.