Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O procurador especial Robert Mueller avançou com as primeiras acusações na investigação da alegada interferência da Rússia nas eleições norte-americanas e das ligações à campanha de Donald Trump, e o Presidente e os seus mais leais seguidores já reagiram atirando as culpas para…Hillary Clinton.

Quando Trump se sente atacado, contra-ataca com ainda mais força. Quem o disse foi a sua mulher, Melania Trump, mas nem precisaria considerando o histórico do agora Presidente dos Estados Unidos.

Foi precisamente no Twitter, o seu meio preferido para comunicar, que Donald Trump finalmente reagiu às notícias – por confirmar – que Robert Mueller, o ex-diretor do FBI que é agora procurador especial, já conseguiu fazer aprovar junto de um grande júri as primeiras acusações no caso da alegada interferência russa nas eleições norte-americanas, e um eventual conluio com a campanha de Donald Trump.

Os procedimentos são secretos, mas a imprensa norte-americana deu conta das novidades no final da passada semana. Os nomes dos primeiros acusados ainda não são conhecidos, no entanto. As primeiras detenções podem acontecer já esta segunda-feira, de acordo com a imprensa.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Trump, e os seus mais leais seguidores, responderam ao ataque atacando as fugas de informação e Hillary Clinton, sugerindo que é tudo parte de uma campanha para desviar as atenções dos cortes nos impostos que os republicanos pretendem aprovar em breve.

“Nunca vi tanta unidade e fúria entre os republicanos como vi na falta de investigação do negócio de urânico com a Rússia de Clinton, os mais de 33 mil emails apagados, a solução de [James] Comey e muito mais. Em vez disso, estão a investigar um ‘conluio’ Trump/Rússia que não existe”, afirmou no Twitter, o Presidente dos Estados Unidos.

Mas Donald Trump não se ficou por aqui.

“Toda esta conversa sobre a ‘Rússia’ nesta altura em que os republicanos estão a dar um grande impulso para reformas e cortes nos impostos históricos. É coincidência? Não!”, afirmou.

Chris Christie, governador de New Jersey e um dos mais fieis apoiantes de Trump depois de perder nas primárias republicadas contra o agora Presidente, fez a defesa pública de Donald Trump nas televisões norte-americanas, criticando as fugas de informação e lembrando que essas fugas são crime, porque os procedimentos são secretos.

O governador de New Jersey insinuou ainda que a informação possa ter sido passada pela equipa de Robert Mueller, mas rejeitou que Trump possa estar já a pensar em perdões presidenciais previamente: “nunca ouvi o Presidente falar sobre isso”.

Robert Mueller está a investigar não só as ligações da campanha de Trump a agentes russos que terão tentado influenciar as eleições, mas também se a equipa de Trump tentou de alguma forma impeder a investigação – depois de uma célebre conversa e eventualmente despedimento do director do FBI James Comey – e eventuais crimes de evasão fiscal e branqueamento de capitais.