Crime

PJ encontra corpo de mulher desaparecida em Gaia

Foi detido em França o principal suspeito do desaparecimento de uma cidadã brasileira em 2015. Homem de 42 anos é suspeito de crimes de homicídio qualificado e ocultação de cadáver.

TIAGO HENRIQUE MARQUES/LUSA

A Polícia Judiciária encontrou esta segunda-feira, enterrado em Vila Nova de Gaia, o corpo da mulher desaparecida em 2015 naquela zona do país. A localização do cadáver da cidadã brasileira de 30 anos foi possível depois da detenção do principal suspeito pelo desaparecimento (que até agora era tido apenas como um eventual rapto) que ocorreu em outubro de 2015.

Através de um comunicado da Diretoria do Norte, a PJ fez saber que deteve no final de setembro passado um cidadão estrangeiro, de 42 anos, a quem atribui a “presumível da autoria dos crimes de homicídio qualificado e ocultação de cadáver“. A detenção foi feita através de um mandado de Detenção Europeu, já que o suspeito estava em França. Foi lá que foi detido pelas autoridades locais, a 28 de setembro, e “entregue a elementos da Polícia Judiciária que procederam a diligências que permitiram a localização do cadáver enterrado em Vila Nova de Gaia“.

Os indícios recolhidos pela PJ apontam para uma agressão da vítima, “na sequência de uma discussão, ao ponto de lhe provocar a morte, seguindo-se a ocultação de cadáver”. A causa da discussão, adianta ainda a polícia no mesmo comunicado, terá sido “desavenças por questões financeiras decorrentes da coabitação de ambos”. O suspeito aguarda julgamento e está em prisão preventiva.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rtavares@observador.pt
Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)