Incêndios

Proteção Civil pediu mais bombeiros e aviões antes de 15 de outubro. Governo só deu metade

1.441

Proteção civil pediu mais bombeiros e horas de voo para combater fogos em setembro. ANPC previa grandes incêndios em outubro. Ministério deu metade dos homens e não autorizou os aviões.

MIGUEL A. LOPES/LUSA

A Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC) pediu mais meios aéreos e bombeiros, poucas semanas antes dos grandes fogos de 15 de outubro que provocaram 45 mortos. O Ministério da Administração Interna, então liderado por Constança Urbano de Sousa, apenas autorizou metade dos bombeiros pedidos e não deu autorização para prolongar por mais horas o contrato de aviões anfíbios.

A informação está a ser avançada pela TVI que cita documentos da ANPC, ainda comandada por Joaquim Leitão, e mails enviados para o ex-secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes. Os meios adicionais pedidos representavam um custo inferior a um milhão de euros.

Em setembro foram feitos dois alertas com pedidos para um reforço do número de bombeiros no norte e centro interior para a primeira quinzena de outubro. Um ofício enviado pela ANPC, e citado pela TVI, alertava para o perigo eminente de grandes fogos, num contexto de diminuição do dispositivo de combate com o fim da fase Charlie. A elevada temperatura, a falta de precipitação e a diminuição dos meios, faziam antever um cenário com elevado número de ignições e grandes dificuldades de resposta do dispositivo de combate.

Em concreto, avança a TVI, foram pedidos mais 525 bombeiros, o que custaria cerca de 350 mil euros. O MAI acabou por mobilizar metade dos homens que foram pedidos. A ANPC pediu igualmente que fosse estendido o contrato de quatro aviões anfíbios para 200 horas de voo que estava a terminar, o que teria representado uma fatura de 490 mil euros. Este pedido não foi autorizado, mas já depois do pior dia de incêndios, o Governo acabou por aprovar um reforço dos meios aéreos disponíveis.

Confrontado com esta informação pela TVI, o ex-secretário de Estado, Jorge Gomes, reconhece que podia ter sido feito mais no reforço de meios, mas considera que isso não teria feito uma grande diferença perante a dimensão dos fotos que atingiram Portugal continental. “O problema não era resolvido com mais 10 aviões”, disse.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Proteção de Dados

Erre gê pê quê?

Catarina Dornelas Pinheiro

Faltam poucos dias para a entrada em vigor do Regulamento Geral da Proteção de Dados e talvez só as grandes empresas estejam preparadas - do lado dos Ministérios só se houve um silêncio ensurdecedor.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)