Bactérias

Portugal está a perder a luta contra as bactérias resistentes

306

Portugal, tal como os países do sul e sudeste da Europa, não está a conseguir fazer frente ao aumento da percentagem de bactérias resistentes aos antibióticos de última linha.

BERND WUESTNECK/EPA

Portugal teve uma maior percentagem de bactérias resistentes da espécie Klebsiella pneumoniae em 2016 do que em 2013. Este agravamento contraria a situação geral na Europa em que há uma estabilização da taxa de resistência desta bactéria que é muitas vezes responsável pelos surtos de infeção hospitalar. Os dados sobre a frequência de bactérias multirresistentes na Europa foi divulgado esta quarta-feira pelo Centro Europeu para a Prevenção e Controlo da Doença (ECDC, na sigla em inglês).

A nível nacional, houve não só uma maior percentagem de casos de Klebsiella pneumoniae resistentes a antibióticos de terceira linha, como também aos carbapenemos — antibióticos de última linha (usados quando todos os outros falham). Se estas bactérias se tornarem também resistentes ao antibiótico colistina (um antibiótico mais antigo, usado agora como último recurso), deixa de existir uma solução viável para o tratamento destes doentes. A nível europeu, a Roménia e a Grécia apresentam as situações mais preocupantes de resistência à colistina, mas Itália também precisa de ficar alerta.

A resistência antimicrobiana, um grave problema de saúde pública, surge quando as bactérias desenvolvem resistência a um ou vários antibióticos, podendo chegar à situação extrema de nenhum antibiótico ser capaz de eliminar essa bactéria. Os hospitais são um dos locais onde estas bactérias se espalham com mais facilidade. Se não se conseguir controlar o aparecimento destas bactérias multirresistentes, podem estar comprometidos procedimentos comuns, como cirurgias ou partos, por deixarem de existir antibióticos eficazes para combater as infeções.

O uso regrado de antimicrobianos, a prevenção das infeções hospitalares e as estratégias para controlar a propagação do surto são peças fundamentais para combater a disseminação de bactérias resistentes a um ou mais antibióticos.

O relatório inclui 30 países: os 28 países da União Europeia, mais Islândia e Noruega. Os dados foram compilados pela Rede de Vigilância para a Resistência Antimicrobiana na Europa (European Antimicrobial Resistance Surveillance Network), coordenada pelo ECDC. Este relatório mostra um padrão claro, a situação de resistência antimicrobiana é maior nos países do sul da Europa e da Europa de leste do que no norte da Europa.

Os países que apresentam uma maior percentagem de situações de bactérias multirresistentes, em geral, são aqueles que também têm uma maior percentagem de bactérias resistentes aos antibióticos de última geração. São também estes países que têm mais dificuldade em combater a resistência antimicrobiana e que apresentaram, regra geral, pior desempenho do que em 2013.

A situação com a bactéria Klebsiella pneumoniae é particularmente preocupante porque, em um terço dos casos reportados, as bactérias mostraram-se resistentes a pelo menos um dos antibióticos de terceira ou de última linha. A resistência a mais do que um antibiótico deste tipo mostrou-se também comum. O único sinal de esperança é a estabilização do número de bactérias resistentes em alguns países da Europa.

Já no caso da bactéria Escherichia coli — que vive naturalmente no nosso corpo, mas que pode tornar-se um agente infeccioso grave — o percentagem de casos de resistência têm aumentado, de forma geral, na Europa. A resistência a antibióticos de terceira linha é comum, especialmente no sul e sudeste da Europa, mas, por enquanto, ainda não existem relatos significativos de resistência ao antibiótico de última linha — carbapenemos.

Outro caso preocupante são as bactérias do grupo Acinetobacter, comuns em surtos hospitalares e muito difíceis de eliminar se se tiverem estabelecido. Dez dos 26 países que forneceram resultados sobre esta bactéria apresentam mais de 50% dos casos com resistência a mais do que um antibiótico. Portugal estava nesta situação em 2013, mas os dados de 2016 mostraram uma diminuição da frequência de casos multirresistentes.

O esforço dos Estados-membros da União Europeia no combate às bactérias Staphylococcus aureus resistentes a meticilina (MRSA, na sigla em inglês) têm mostrado resultados positivos. Mas o ECDC considera que há ainda muito trabalho a ser feito, visto que 10 dos 30 países considerados têm níveis de MRSA superiores a 25%, incluindo Portugal.

Correção: o relatório refere-se a percentagem de bactérias resistentes no total de bactérias daquela espécie (e não número de casos). Assim, trata-se de frequência e não de incidência.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt
António Costa

O desrespeito como forma de governar /premium

André Abrantes Amaral

Costa desvaloriza os factos, desconsidera e desrespeita as pessoas porque dessa forma se desresponsabiliza. Tal é possível porque o PS estagnou, não só a economia, mas também a essência da democracia.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)