Um alto dignitário do governo chinês estará a caminho da Coreia do Norte. Segundo notícia avançada pela CNN, o diplomata em questão, que é descrito como sendo um “enviado especial” do presidente Xi Jinping, estará em Pyongyang esta sexta-feira.

Estas movimentações políticas surgem no rescaldo do tour de 13 dias que Donald Trump fez pela Ásia. O Presidente dos EUA foi bastante claro nas declarações que foi dando ao longo desta viagem, apelando várias vezes para que mais sanções diplomáticas sejam aplicadas à Coreia do Norte e que a China devia ser das nações a envolver-se com mais afinco nessa questão.

Não se prevê que esta visita traga grandes desenvolvimentos à crise nuclear que se tem feito sentir na terra de Kim Jong Un. Contudo, “observadores” referenciados pela CNN afirmam que este encontro possa representar um “aquecer” de relações entre estes dois antigos aliados. “Toda a gente está à procura de algo que vá desbloquear o impasse do programa nuclear e isso será assunto a ser discutido, seguramente… Contudo, é mais provável que uma melhoria de relações entre o Presidente Xi e Kim Jong Un seja o tema central do encontro”, explica John Dlury, professor na Universidade de Estudos Internacionais de Yonsei, em Seoul.

O canal estatal chinês Xinhua noticiou esta quarta-feira que Song Tao, o responsável pelas relações internacionais do partido comunista chinês, seria o homem escolhido para visitar Pyongyang. De acordo com esse mesmo canal mediático, a explicação oficial para a visita prende-se com a necessidade de avisar aos membros do partido comunista norte-coreano do resultado do 19º Congresso do Partido Comunista Chinês, que se realizou em Outubro e onde Xi Jinping foi reeleito para um segundo mandato.

Tong Zhao, investigador no Carnegie-Tsinghua Center for Global Policy em Pequim, contou ao canal norte-americano que é altamente provável que se discuta “o programa nuclear da Coreia do Norte”, mas que mesmo assim, nenhum dos lados envolvidos deverá alterar a sua posição.