Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Morreu esta sexta-feira aos 87 anos o chefe da máfia siciliana Salvatore Riina, conhecido como ‘Totò Riina’, avança a imprensa italiana. Riina, considerado o último capo dei capi, chefe supremo da Cosa Nostra siciliana, morreu no estabelecimento prisional de Parma, no norte de Itália, onde se encontrava a cumprir 26 penas de prisão perpétuas.

Suspeito de ter estado envolvido na morte de mais de 150 pessoas, ‘Totò Riina’ estava há vários dias em coma induzido, resultado de complicações na sequência de duas cirurgias a que tinha sido submetido recentemente.

O antigo chefe da máfia tinha pedido este verão para ser libertado precisamente por causa dos problemas de saúde de que sofre, mas a Justiça italiana negou o pedido, argumentando que os cuidados médicos a que tinha acesso enquanto estavam detidos tinham a mesma qualidade do que os que podia receber no exterior.

[Veja aqui o vídeo sobre os grandes crimes de Totò Riina]

[jwplatform HGIrIoBW]

Antes do coma induzido, Riina estava lúcido e tinha afirmado recentemente que não se arrependia de nada, nem que o condenassem “a 3.000 anos de prisão”. Mesmo a partir da prisão, Riina continuava a dar ordens à organização criminosa.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Matou 40 pessoas pessoalmente e ordenou a execução de 110

Nascido em 1930, Riina tornou-se membro da máfia siciliana Cosa Nostra logo a partir dos 16 anos, depois de ter conhecido o influente chefe do clã de Corleone, Luciano Liggio. Juntamente com Bernardo Provenzano, e ambos apadrinhados por Liggio, Riina viria a tornar-se, na década de 1980, quando Liggio foi preso, um dos maiores chefes da história da máfia siciliana.

Salvatore Riina foi responsável pela morte cerca de 150 pessoas (das quais 40 assassinou pessoalmente), o que acabaria por levá-lo, em 1993, a ser condenado a 26 penas perpétuas, por crimes cometidos entre 1969 e 1992. Entre os crimes que cometeu encontra-se a morte, em 1992, dos juízes antimáfia Giovanni Falcone e Paolo Borsellino, que tinham condenado em tribunal cerca de 300 elementos da máfia siciliana em 1987.

Riina deu ordem a dois dos seus mais importantes homens, Giovanni Brusca e Nino Gioè, para assassinarem os dois juízes. Os dois mafiosos instalaram mil quilogramas de explosivos numa autoestrada por onde passariam os juízes e mataram não apenas Falcone e Borsellino, mas também membros da família dos dois.

O antigo chefe da máfia é também considerado o autor moral dos atentados à bomba de 1993 em Roma, Milão e Florença, que causaram dez mortos. A vida de Riina deu origem à série televisiva Il capo dei capi, transmitida em 2007 pelo canal italiano Canale 5.