Cinema

“Lucky”: o adeus muito “zen” de Harry Dean Stanton

157

Realizado em estreia pelo seu colega John Carroll Lynch, o último filme do lendário actor americano homenageia-o e tira-lhe o retrato sob forma ficcional. Eurico de Barros dá-lhe quatro estrelas.

Autor
  • Eurico de Barros

Logan Sparks e Drago Sumonja, amigos de longos anos de Harry Dean Stanton (o filho do primeiro até é afilhado deste) inspiraram-se na vida, nas histórias, nas conversas e nos ditos do actor para escreverem “Lucky”. E Stanton saiu da reforma para interpretar uma personagem ficcional baseada na sua pessoa, naquele que acabaria por ser o seu último filme, já que morreu, com 91 anos, pouco depois de o concluir. Realizado em estreia pelo actor John Carroll Lynch (“Fargo”, “Zodiac”, “American Horror Story”), “Lucky” é um presente de amizade, uma celebração de vida e uma homenagem calma a um dos actores característicos mais “principais” do cinema e da televisão, escanzelado mas resistente e emblemático veterano de mais de 60 anos de papéis por montes e vales de filmes maus ou memoráveis, de séries esquecidas ou de culto, com uma cara triste e vivida que parecia “uma estrada do velho Oeste”, como escreveu David Thomson, e que “contava histórias”, nas palavras do também já desaparecido Sam Shepard.

[ Veja o “trailer” de “Lucky”]

Em “Lucky”, Harry Dean Stanton confunde-se e combina-se com a personagem do título, um nonagenário que vive numa terrinha do Arizona onde toda a gente se conhece e não se passa quase nada – tal como no filme. Lucky segue uma rigorosa rotina diária, do ioga e do copo de leite gelado matinal em casa ao Bloody Mary e à conversa fiada com os amigos no bar à noite. Uma manhã, e depois do seu amigo Howard ter comunicado a fuga do seu cágado de estimação, chamado Presidente Roosevelt, Lucky cai redondo no chão em casa. Vai ao médico e este diz-lhe que não tem doença nenhuma e não vale a pena ele parar de fumar. Lucky caiu porque está velho, e mais velho vai ficar. A queda é o primeiro – e provavelmente, o último aviso – de que um dia irá morrer.

[Veja a entrevista com o realizador John Carrol Lynch]

E como recebe Lucky esta notícia reveladora? Muda a rotina diária? Fica com angústias existenciais? Agarra-se em desespero à religião? Vai comprar pantufas de gel? Nada disso. Continua a fazer a sua vida normal, a regar o cacto de estimação em roupa interior, botas de cano alto e chapéu, a fazer as palavras cruzadas acompanhadas por um café no “diner” local, a ver o concurso de perguntas e respostas na televisão, a cantar em espanhol numa festa de aniversário e até compra uma caixa de grilos para os ouvir, à noite, quando está na cama de janela aberta e lhe entra em casa o vento seco do deserto. Lucky é a versão “small town” americana de um “cowboy” estóico, um incréu em paz consigo mesmo e com o mundo, um mestre budista do Arizona. E toda a sua filosofia de vida está contida no breve e eloquente discurso que faz no bar, quando a dona o quer mandar fumar para a rua e ele recusa e respiga.

[Veja o realizador, os argumentistas e os actores do filme evocarem Harry Dean Stanton]

Um actor sabe como filmar outro actor, sobretudo se se trata de uma lenda viva e um favorito da cinéfilia. John Carroll Lynch dá a Harry Dean Stanton, um grande actor “natural”, todo o tempo que ele precisa e merece para “ser” Lucky (espantosamente, o filme não chega a ter 90 minutos de duração, mas chega e bonda para tudo o que Stanton e o realizador querem mostrar e dizer), rodeando-o de um “quem é quem” de intérpretes secundários: Ed Begley, Jr., James Darren, Beth Grant, Ron Livingston, Barry Shabaka Henley ou Tom Skerritt. Este contracenou com Harry Dean Stanton em “Alien-O 8º Passageiro”, faz quase 40 anos e partilham um dos melhores e mais melancólicos momentos da fita, trocando recordações do tempo da II Guerra Mundial (tal como Stanton, Lucky foi cozinheiro na Marinha).

[Veja uma cena de “Lucky”]

E temos ainda, “last but not least”, David Lynch, velho amigo e cúmplice de conversas e cigarradas de Harry Dean Stanton, no papel de Howard, o inconsolável dono do cágado fujão (que tanto pode ser apenas isso, um velho cágado evadido, como um correlativo animal para Lucky, como ainda o símbolo de algo maior e transcendente que nos escapa). Lynch interpreta Howard como se fosse uma personagem que tivesse saído de um filme seu para aparecer em “Lucky” e homenagear Stanton, que dirigiu em “Coração Selvagem”, “Uma História Simples” e em “Twin Peaks”. E é um regalo e comovente ao mesmo tempo, vê-los lado a lado ao balcão de um bar, por uma vez actores e comparsas na mesma fita.

[Veja Harry Dean Stanton e David Lynch em “Lucky”]

Pequeno filme de orçamento modesto como os estúdios americanos os faziam por sistema nos anos 60 e 70, mas abandonaram pelas bisarmas de efeitos digitais e receitas descomunais, “Lucky” fala de pessoas comuns, dos pequenos mas quantas vezes importantes e valiosos gestos, sentimentos, palavras e incidentes do dia-a-dia, encontra cinema, poesia, sabedoria e emoções no real rotineiro e ao alcance da mão. E é o adeus muito “zen”, de Harry Dean Stanton.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)