O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, insistiu este sábado que não houve conluio entre a sua equipa e o governo russo, durante a campanha eleitoral paras as presidenciais do ano passado. “Não houve conluio absolutamente nenhum”, repetiu Trump, por três vezes, aos jornalistas, nos jardins da Casa Branca.

Questionado sobre se continua a apoiar Michael Flynn — o antigo conselheiro para a segurança nacional da Casa Branca, que na sexta-feira se declarou culpado perante um tribunal federal e assumiu ter mentido ao FBI sobre o alegado conluio entre Trump e Rússia –, Donald Trump disse não estar preocupado com a situação.

Ex-conselheiro de Trump mentiu ao FBI sobre ligação russa e terá dito que cumpria ordens do genro do Presidente

“Vamos ver o que acontece”, rematou o presidente norte-americano, recusando fazer mais comentários sobre o general reformado, que chegou a um acordo com a justiça norte-americana e irá agora cooperar com o procurador Robert Mueller, designado pelo Congresso para investigar as suspeitas de conspiração entre a equipa de Trump e o governo russo.

Donald Trump aproveitou também para se mostrar feliz com a aprovação, este sábado, pelo Senado, da reforma fiscal proposta pelo presidente norte-americano.

EUA: Senado aprova maior reforma fiscal dos últimos 30 anos

De recordar que Michael Flynn se declarou esta sexta-feira culpado de mentir ao FBI e que um juiz federal divulgou que o general reformado está a cooperar com a justiça norte-americana.

Flynn revelou ainda que a equipa de Donald Trump lhe pediu para estabelecer contactos com os russos e que manteve informada a futura administração sobre o que estava a fazer. O ex-conselheiro afirmou ter telefonado a um alto responsável da equipa de transição — que será Jared Kushner, o genro de Trump — pedindo orientações antes de conversar com o embaixador da Rússia nos Estados Unidos, tendo depois relatado os resultados dessa conversa.

A decisão de Flynn de cooperar com Robert Mueller indica que o general reformado poderá desempenhar um papel na expansão dos esforços para desvendar o possível envolvimento de altos funcionários de Trump e talvez do próprio Presidente na interferência da Rússia na campanha presidencial.