Será difícil entrar em qualquer casa de banho, seja em Portugal ou no resto de mundo, e não dar de caras com vários produtos de higiene feitos de plástico. Das embalagens dos champôs e dos desodorizantes às escovas de dentes, o plástico está um pouco por todo o lado. Foi com base nisto que Nuno Catarino, lisboeta de 34 anos, e mais quatro amigos chegaram à conclusão que, se quisessem lançar um novo produto no mercado, só poderiam fazê-lo se este tivesse preocupação ambiental e inovação económica. Em agosto, lançaram a The Bam & Boo Toothbrush, uma escova de dentes de bambu que se vende por subscrição.

Desde que a Web Summit aterrou em Lisboa que este grupo de amigos quer lançar um negócio próprio. Os vários fins de semana e almoços em que se juntaram para trocarem ideias resultaram numa escova de dentes biodegradável, que em quatro meses exporta para 30 países. Os maiores clientes estão no Sul da Europa e na Irlanda, mas a escova portuguesa também chega ao Canadá, Estados Unidos da América e Qatar. Cerca de 75% das vendas resultam dos mercados externos.

Escovas de dentes com várias cores e para todas as idades © The Bam & Boo Toothbrush

O modelo de financiamento e a comercialização das escovas também não são os habituais. Para adquirir uma The Bam & Boo Toothbrush, os clientes efetuam uma subscrição: preenchem um formulário no site do produto e definem a periodicidade para receberem uma escova de dentes nova em casa por correio. “É semelhante a um serviço de Netflix, Linkedin ou Spotify”, diz Nuno Catarino, um antigo marketeer de multinacionais como a Nestlé, a Central de Cervejas e a Refriango. O preço de cada escova de dentes é 4,99 euros. Através desta estratégia, os responsáveis acreditam estar a proporcionar comodidade ao consumidor.

“Na Europa, são produzidas e deitadas fora todos os anos cerca de mil milhões de escovas de dentes. É um círculo vicioso que se vai prolongando. Só cerca de 9% do plástico é que é reciclado”, refere Nuno Catarino ao Observador.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O problema europeu, mas visível e existente à escala mundial, permitiu descobrir uma fatia de mercado que ainda não estava a ser devidamente aproveitada: transformar determinados objetos do quotidiano em matérias biodegradáveis e potenciar um melhor ambiente e uma ideia de negócio. A escova de dentes pareceu uma escolha óbvia. “Escovamos os dentes todos os dias e, de três em três meses, os dentistas recomendam que as escovas sejam mudadas”, refere.

Se a opção por uma escova de dentes parece hoje natural, Nuno Catarino confessa ao Observador que não foi a primeira ideia que tiveram. Mas, para já, o responsável prefere não revelar qual seria o produto, uma vez que a The Bam & Boo Toothbrush quer alargar o leque de produtos biodegradáveis na área da higiene oral em breve. “A ideia é não ficarmos só pela escova de dentes”, afirma.

Das várias matérias-primas sustentáveis e biodegradáveis existentes, o bambu revelou-se a melhor alternativa, muito embora a produção desta planta em Portugal esteja reduzida a uma plantação no Alentejo. “Tem uma pegada ecológica [indicador de sustentabilidade ambiental] muito baixa. É a planta que cresce mais rápido em todo o mundo e necessita de poucos recursos hídricos e consome poucos nutrientes”, explica Nuno Catarino.

A The Bam & Boo Toothbrush é composta por 98% de bambu, contrariamente às escovas de dentes mais vendidas no mercado, feitas de 100% de plástico. Além disso, o bambu terá propriedades antibacterianas, que o responsável acredita serem benéficas para os solos e para a higiene oral.

“Os nossos consumidores têm bastante consciência ecológica, mas nunca se lembraram que uma escova de dentes é efetivamente feita de plástico”, acrescenta.

Apesar de existir produção de bambu em Portugal, no concelho de Odemira, no Alentejo, pelo Bambuparque — considerado o maior produtor da planta na Europa –, a espécie ainda é vista como exótica no continente europeu. Por essa razão, a The Bam & Boo Toothbrush é feita na China, um dos maiores produtores de bambu no mundo. “Ter produção em Portugal é um dos objetivos a médio prazo, mas para já continuamos a produzir na Ásia. Assegurámos os certificados e o cuidado com os nossos fornecedores de que o bambu é sustentável na sua recolha”, esclarece Nuno Catarino.

A embalagem da escova é também biodegradável © The Bam & Boo Toothbrush

O produto foi financiado com capitais próprios dos sócios, não tendo quaisquer parceiros ou investidores externos. No total, investiram cerca de 50 mil euros. “Ainda estamos na expectativa, mas não tivemos medo”, dizem. Para já, em quatro meses de atividade, afirmam que o resultado tem sido positivo — mas não pretendem revelar o volume de vendas. Porém, Nuno Catarino revela que têm neste momento mil clientes ativos.

A importância da higiene oral é tida em conta pelo projeto da The Bam & Boo Toothbrush, mas os responsáveis querem mais do que isso. Nas redes sociais, nomeadamente no Instagram e no Facebook, a equipa dá conselhos e informações sobre como tornar o mundo mais sustentável. “Não é só a escova, é mudar o paradigma: de que forma é que no dia-a-dia conseguimos trocar, minimizar ou reutilizar”, explica o responsável.

© The Bam & Boo Toothbrush

Além disso, o produto recolhe a experiência de marketing dos seus criadores e aposta na dimensão mais emocional: o logótipo da escova de dentes é composto por um panda, o Bam, e uma menina chamada Boo, dois amigos que são o equilíbrio um do outro – ele da Natureza, ela dos humanos.