Cinema

“Derradeira Viagem”: a última missão dos velhos soldados

O novo filme realizado por Richard Linklater é uma peça cinematográfica para três vozes, onde brilham Steve Carell, Bryan Cranston e Laurence Fishburne. Eurico de Barros dá-lhe quatro estrelas.

Autor
  • Eurico de Barros

Quando pensamos em Richard Linklater, pensamos logo em filmes sobre juventude e jovens, estes muitas vezes apanhados em alturas das suas vidas em que têm que tomar decisões e fazer escolhas que lhes vão definir o futuro, ou à beira de se tornarem adultos e responsáveis: “Slackers”, “Juventude Inconsciente”, “Noites Suburbanas”, “Boyhood: Momentos de uma Vida”, a trilogia iniciada com “Antes do Amanhecer” (pelo meio destas, há também fitas de puro entretenimento, como “Escola de Rock” ou “Todos Querem o Mesmo”). E Linklater é também um cineasta em cujos filmes há muita conversa, onde as personagens adquirem humanidade aos olhos do espectador e costumam definir-se mais pelo verbo do que pelas acções.

[Veja o “trailer” de “Derradeira Viagem”]

Em “Derradeira Viagem”, o realizador assina um filme com protagonistas muito mais velhos do que é habitual, mas permanece fiel à tradição de palavra expressiva que atravessa a sua filmografia. Adaptado do romance “Last Flag Flying”, de Darryl Ponicsan, que também colaborou no argumento (ele ainda é o autor de “O Último Dever’, que Hal Ashby filmou em 1973 e com o qual “A Derradeira Viagem” é aparentado) a fita passa-se em 2003 e é uma história de homens de meia-idade, que combateram juntos no Vietname e depois nunca mais se viram. Doc (Steve Carell), que foi da Marinha e lá ficou a trabalhar como civil, vai à procura de dois antigos camaradas e amigos, Sal (Bryan Cranston) e Mueller (Larry Fishburne), antigos Marines, para que o acompanhem no enterro do filho, também ele soldado, que morreu em combate no Iraque, um ano após a morte da mulher, de cancro.

[Veja a entrevista com Richard Linklater]

Sal, que agora tem um bar, continua o mesmo: desleixado, copofónico, mulherengo e refilão, mas amigo do seu amigo. Já Mueller mudou completamente. O antigo sargento, lendário pelos seus excessos, nomeadamente de violência e sexuais, encontrou Cristo, fez-se pastor, casou e já tem netos. Uma vez chegado à base aérea onde está o corpo do filho, Doc descobre, pelo melhor amigo deste, as verdadeiras circunstâncias da morte do rapaz. Revoltado, e instigado por Sal, o pai decide que o filho não irá ter um enterro de “herói”, no Cemitério Militar de Arlingon, como seria da norma, mas sim um funeral civil, em casa, no New Hampshire, no cemitério onde a mãe repousa, e será enterrado sem a farda. E pede aos dois amigos que o acompanhem no transporte do caixão.

[Veja a entrevista com Steve Carell]

Ao longo da viagem de volta, Doc, Sal e Mueller, que partilham também um enorme remorso pela responsabilidade que têm na morte de um camarada no Vietname, vão falar, falar muito. E recordar o melhor e o pior de tempos passados, revelar uns aos outros as suas alegrias e frustrações, comparar as vidas que levaram e como mudaram ou não, dizer mal e bem da tropa e só mal dos políticos. “Derradeira Viagem” é uma peça cinematográfica para três vozes, cada qual com o seu discurso próprio e por vezes em choque com os outros, que dá espaço, tempo e boa substância dramática ao bisonho Carell, ao agitado Cranston e ao grave Fishburne para mostrarem os magníficos actores que são, no que dizem mas também no que deixam sugerido ou por dizer. Com Linklater e a sua câmara sempre por perto, atentos e à escuta.

[Veja a entrevista com Bryan Cranston]

Estamos perante um filme sombrio, com palpitação trágica mas também jactos súbitos de comédia, atravessado por um sentimento de culpa retroactivo que as circunstâncias do presente tornam mais nítido e incómodo. Linklater segue um modelo narrativo clássico, sem distracções ou digressões. Não faz “flashbacks” para o passado comum de combate dos três protagonistas no Vietname, não recria a morte do filho de Doc em Bagdade, não se deixa aprisionar pelo sentimentalismo de circunstância nem fechar em discursos ideológicos simplistas, facilmente “pró” ou “anti”. A fita está cheia da amargura, do cinismo e da revolta, mas também do orgulho, da camaradagem e do patriotismo dos velhos soldados, lida com temas, situações e emoções que a maioria dos filmes de guerra americanos recentes prefere omitir ou contornar e põe frente-a-frente militares de diferentes gerações.

[Veja a entrevista com Larry Fishburne]

No final de “Derradeira Viagem”, um dever adiado há muitos anos fica finalmente cumprido, laços antigos de amizade são reforçados, escreve-se direito por linhas tortas, Doc, Sal e Mueller cumprem a sua última missão e alcançam a medida de paz e de consolo possível. Os velhos soldados podem finalmente apaziguar as consciências e guardar as fardas.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)