Buracos negros

Descoberto um buraco negro com 800 milhões de vezes a massa do Sol

117

É grande, é antigo e é distante. O buraco negro supermassivo da infância do universo bate recordes.

Robin Dienel, courtesy of the Carnegie Institution for Science

O buraco negro mais antigo e mais distante de que há registo foi descoberto pela equipa de Eduardo Bañados, investigador no Instituto de Ciência Carnegie, nos Estados Unidos, e publicado esta quarta-feira na revista científica Nature.

Os investigadores estudavam quasares — os objetos, não passageiros, mais brilhantes no espaço — à procura de explicação sobre os primeiro momentos do universo quando encontraram o quasar ULAS J1342+0928. Este é o quasar mais distante alguma vez encontrado e tem, associado a ele, um buraco negro supermassivo — com 800 milhões de vezes a massa do Sol.

Estima-se que este quasar seja da altura em que universo tinha 690 milhões de anos – cerca de 5% da idade atual. O que reforça a ideia de que os buracos negros supermassivos – com mais de 100 mil vezes o tamanho do Sol – terão surgido durante a infância do universo.

Conseguir reunir toda esta massa em menos de 690 milhões de anos é um desafio enorme para as teorias sobre o crescimento de buracos negros supermassivos”, disse Eduardo Bañados, num comunicado de imprensa da instituição.

Depois do Big Bang, o universo era uma sopa quente, de partículas carregadas de energia que viajavam e se expandiam rapidamente. À medida que o universo se foi expandindo, também foi arrefecendo. Ao fim de cerca de 400 mil anos — muito pouco tempo em termos cosmológicos —, as partículas que foram arrefecendo, foram-se agregando numa nuvem neutra de gás de hidrogénio.

O universo permaneceu escuro até que houve condensação suficiente das partículas para se formarem as primeiras estrelas e galáxias. À medida que se formavam estas galáxias, a nuvem de gás neutra foi sendo excitada e ionizada — ou seja, o hidrogénio foi perdendo os electrões. Entrava-se numa nova fase, com o universo reionizado, em que a luz podia viajar. Logo, o universo tornou-se luminoso.

O que os investigadores verificaram é que o quasar agora detetado ainda tem uma nuvem neutra de gás a envolvê-lo, podendo estar aqui a resposta para como o hidrogénio foi ionizado, nesta nova fase do universo.

Foi a última grande transição do universo e uma das fronteiras atuais da astrofísica”, refere Eduardo Bañados.

É exatamente pela análise da luz que os investigadores detetam os quasares. A luz do ULAS J1342+0928 demorou 13 mil milhões de anos a chegar até nós. Esta revelação é de particular importância uma vez que se estima que existam apenas entre 20 a 100 quasars tão brilhantes e tão distantes como o que agora foi descoberto. Até agora, apenas um quasar muito distante tinha sido descoberto.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)