A inflação acumulada no Brasil de janeiro a novembro ficou em 2,5%, valor mais baixo desde 1998, e abaixo dos 5,9% registados em igual período de 2016, segundo dados divulgados hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação brasileira no mês de novembro ficou em 0,28%, resultado 0,14 pontos percentuais abaixo do registo de outubro quando alcançou 0,42%.

Já no acumulado dos últimos 12 meses a inflação ficou em 2,8%, dado que mostra que a alta dos preços superou os 2,7% alcançados nos 12 meses imediatamente anteriores.

Pelo sétimo mês consecutivo os alimentos ficaram mais baratos e contribuíram para reduzir a inflação no Brasil. A queda no preço desses produtos foi em média de 0,72%.

“A safra de 2017 foi muito boa então isso contribuiu para a redução dos preços dos alimentos durante todo o ano. Esse efeito vem diminuindo, nos últimos dois meses, porém em certos produtos ainda é sentido. Por exemplo, a terceira safra do feijão, conhecida como feijão de inverno, influenciou a queda no preço do produto em novembro”, ressaltou Fernando Gonçalves, gerente do IBGE.

Se a inflação brasileira continuar a cair e for menor do que 3% no final do ano, o país pode pela primeira vez ter um reajuste de preços abaixo do teto da meta. Em 2017 o Banco Central brasileiro colocou a meta em 4,5% com margem de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.