Citroën

Revolução! Novo C4 Cactus é barato e parte a loiça

100

A Citroën apresentou o novo C4 Cactus, modelo que mata o C4 berlina e melhora em qualidade e equipamento. É barato, mas assume-se o mais confortável da classe, graças às novas suspensões e bancos.

O primeiro C4 Cactus foi uma lufada de ar fresco para a marca francesa, exibindo um estilo moderno mas ousado, diferente de tudo o que existia à época no segmento, o que lhe permitia reclamar uma personalidade muito própria. Esta sensação era reforçada por soluções práticas, mas estranhas, como os airbumps laterais – as almofadas que protegiam a carroçaria de eficácia duvidosa e apuro estético discutível. Um dos maiores argumentos residia no preço acessível, a torná-lo uma das propostas mais competitivas entre os veículos que militavam entre o segmento B e C. O modelo francês tinha ainda a vantagem do design esgrimir características que podiam apelar à moda do momento e a uma clientela que, cada vez em maior número, perseguia modelos com ares de SUV.

Mas a Citroen tinha um outro representante no segmento C, uma berlina de cinco portas denominada C4, de concepção mais convencional e discreta, apesar de ser consideravelmente melhor em qualidade e maior em preço, cuja popularidade e consequente volume de vendas foram rapidamente ultrapassados pelo Cactus, desde que chegou ao mercado em meados de 2014.

Um Cactus que vale por dois

Com o novo C4 Cactus, agora apresentado, a Citroën decidiu substituir dois modelos por apenas um, ou seja, matou (a breve prazo) o C4 normal, e civilizou o Cactus antigo, acabando com a sua incursão pelo campo dos SUV, segundo alega o construtor. Contudo, em termos estéticos, isso não corresponde bem à realidade. Mais que não seja porque continuam presentes os plásticos a proteger os guarda-lamas, entre outros argumentos similares aos que se podem encontrar no C3 Aircross.

A base do modelo é a mesma mas, só no exterior, 80% das peças são novas. Desaparecem os airbumps laterais, surgindo em seu lugar uma solução de menores dimensões e meramente embelezadora, em plástico rígido, em vez das almofadas anteriores macias. Novo é também o seu posicionamento, uma vez que as novas protecções laterais estão mais em baixo, junto à embaladeira, como já acontecia no C3 e no C3 Aircross, o que resulta substancialmente mais elegante, em termos estéticos.

Outra característica marcante da anterior geração do modelo, a tampa da mala com uma zona pintada numa cor contrastante e mais escura – mais um truque para lhe reforçar o ar de SUV – também desapareceu, tudo para dar um ar mais refinado ao Cactus e permitir-lhe bater-se com as berlinas do segmento, ditas normais. Também os farolins ganharam dimensão, sendo agora maiores, fazendo com que o modelo pareça mais largo e contribuindo para uma maior sensação de elegância.

Provavelmente a maior diferença surge na frente, onde o novo C4 Cactus exibe uma solução estética em ponto grande, mas em linha com o que já vimos nos também novos C3 e C3 Aircross, com um estilo mais arredondado e volumoso. E atraente, com a Citroën a continuar a provar que é, das marcas da PSA, a que possui a imagem mais forte e visualmente mais convidativa.

O Cactus continua com 4,17 metros de comprimento e uns interessantes 2,6 metros na distância entre eixos, medidas não muito grandes, que lhe permitem continuar a anunciar um peso relativamente reduzido dentro do segmento C, com a marca a anunciar valores, em média, inferiores em 125 kg. Isto apesar da mais recente geração ter aumentado em cerca de 40 kg o peso, face ao modelo de há três anos, “gorduras” que são imputadas ao reforço da insonorização e do equipamento.

Silêncio! Vem aí mais equipamento

Uma vez a bordo, o C4 Cactus mantém o espaço que já conhecíamos da versão anterior, mas as diferenças abundam. Primeiro, investiu-se fortemente no refinar do veículo, especialmente no que pode beneficiar o silêncio no habitáculo. Mais material de insonorização é utilizado para impedir que o barulho da mecânica invada o espaço dos passageiros, material que também é aplicado na zona inferior do chassi e nas embaladeiras, tudo para reduzir o ruído de rolamento.

O tablier mantém a linha já conhecida, mais baixa e plana, o que incrementa a sensação de espaço, o que é só possível porque o airbag do passageiro está montado no tejadilho, e não por cima do porta-luvas. Os materiais melhoraram, sem ser de uma forma espectacular, tanto mais que continuam a existir plásticos duros, mas a construção parece-nos mais cuidada e os acabamentos também.

Os bancos também evoluem (de que falaremos mais à frente), sendo ligeiramente mais envolventes e confortáveis, desaparecendo o banco corrido à frente pela necessidade de montar ao centro o comando da caixa automática, que passa a estar ao serviço de algumas versões.

Além da maior quantidade de material insonorizante, o novo Cactus investiu igualmente em vidros mais espessos, pára-brisas acústico e borrachas mais eficazes nas portas, tudo para manter fora do habitáculo os ruídos que só incomodam.

Nem só de equipamento de conforto vive o novo modelo, uma vez que as ajudas ao condutor não foram esquecidas. Além da travagem de emergência automática em cidade e da detecção de ângulo morto, o Cactus passa a ser capaz de perceber quando o condutor está sonolento ou abandona inadvertidamente a sua faixa de rodagem, dando igualmente uma mão nas manobras de marcha-atrás e no reconhecimento dos sinais de trânsito.

Amortecedores mágicos

Não são construídos por David Copperfield ou por qualquer outro mago de renome internacional, mas isso não impede os amortecedores fabricados pela Kayaba e desenvolvidos pela Citroën de cometer a proeza de optimizar o conforto, sem fazer disparar os custos, como aconteceria se estes fossem reguláveis. Denominados amortecedores com batentes hidráulicos progressivos, o novo equipamento que aqui surge ao serviço do Cactus, mas que foi estreado no C5 Aircross, já introduzido no mercado chinês, garante um superior nível de conforto.

Essencialmente, é que como se o amortecedor hidráulico convencional possuísse nas suas extremidades outros pequenos amortecedores hidráulicos, em substituição dos tradicionais batentes, que limitam o curso da suspensão e se tornam muito desagradáveis e desconfortáveis, quando são colocados à prova. Com esta solução, a Citroën consegue ter uma zona central do curso de suspensão mais macia, para depois se tornar mais dura junto ao fim do curso, sem ter de recorrer a amortecedores pilotados, substancialmente mais onerosos.

Além das suspensões, o C4 Cactus está ainda equipado com novos assentos, com menos espessura de espuma macia (15 mm em vez de 20 mm), a que se segue uma espuma mais densa e uma estrutura que a mantém no sítio, suportando melhor o corpo e assegurando um maior conforto. Tudo parte do conceito Citroën Advanced Comfort, que a marca francesa agora defende para toda a sua gama.

Motores já conhecidos. Diesel e a gasolina

É quando a mecânica está em cima da mesa que o novo Cactus tem menos novidades para nos dar. Há motores a gasolina e diesel, os primeiros com as versões 1.2 PureTech de 82, 110 e 130 cv, enquanto os que consumem gasóleo estão representados pelo 1.6 BlueHDI de 100 e 120 cv. Novidades nas motorizações, apenas a possibilidade do C4 Cactus ter acesso às versões mais potentes, com respectivamente 120 e 130 cv.

Caso o cliente o deseje, há motores que podem estar acoplados a caixas automáticas, com a vantagem de serem caixas convencionais, mais eficazes e agradáveis de utilizar, com conversor de binário, e não soluções com embraiagem pilotada.

Com acesso a motores mais possantes e continuando a usufruir de um peso mais reduzido do que a maioria dos concorrentes dos segmento C, em relação aos quais é igualmente mais pequeno, o novo Cactus anuncia níveis muito interessantes de consumos, baixos, e de acelerações, elevadas.

Quando chega e por quanto?

Depois de estar previsto para o primeiro trimestre de 2018, sabe-se agora que o C4 Cactus apenas vai dar entrada no mercado português em Abril, isto apesar de ter a sua comercialização em França agendada para Fevereiro. A Citroën não deverá ter os preços do novo C4 Cactus fechados antes do final de Janeiro, mas se considerarmos que a política da marca é praticar um preço já apelativo à partida, sem o inflacionar na tabela de vendas, para depois efectuar grandes descontos, é bem provável que o novo C4 Cactus se posicione algures entre os valores praticados pelo antigo e os propostos pela berlina C4, que, é bom recordar, é mais comprida (4,33 contra 4m,17 metros) e tem mais mala (380 contra 358 litros).

Não será pois de admirar que o novo C4 Cactus venha a ser proposto por pouco mais de 19 mil euros na versão de 82 cv a gasolina e nível de equipamento Live, ou seja, cerca de 1.000 euros acima do que hoje acontece, embora o novo modelo inclua de série mais equipamento.

Participe nos Prémios Auto Observador e habilite-se a ganhar um carro

Vote na segunda edição do concurso dedicado ao automóvel cuja votação é exclusivamente online. Aqui quem decide são os leitores e não um júri de “especialistas” e convidados.

Participe nos Prémios Auto ObservadorVote agora

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)