“Pop Aye”

A primeira longa-metragem de Kirsten Tan é um “road movie” à maneira tailandesa. Thana, um arquitecto de Bangkok em plena crise da meia-idade, posto de lado pelo filho do antigo patrão no “atelier” onde trabalha e destratado em casa pela mulher, mete-se à estrada na companhia do elefante com o qual cresceu quando era criança, pobre, e vivia no campo, para o ir mostrar ao seu único parente ainda vivo, um tio, na aldeia natal. Ao longo da jornada, Thana e o animal encontram uma série de personagens que representam o melhor e o pior da natureza humana, até chegarem ao seu destino, onde os esperam algumas surpresas. “Pop Aye” tem os seus momentos, cómicos e dramáticos, embora dure mais tempo do que o que a realizadora precisava para contar esta história curiosa mas ténue, de um homem angustiado e do seu fiel elefante.

“A Hora Mais Negra”

O novo filme sobre Winston Churchill, realizado por Joe Wright (“Expiação”), acompanha a nomeação do lendário político inglês para primeiro-ministro, em Maio de 1940, após a demissão de Neville Chamberlain. E os dias dramáticos que se seguiram, durante os quais Churchill teve que remar contra a maré do seu próprio partido, cujos membros mais influentes não o achavam o homem ideal para o lugar face ao avanço, Europa dentro, da máquina de guerra alemã, enquanto lidava com a evacuação das tropas inglesas de França, amontoadas em Dunquerque. Gary Oldman sucede a colegas tão ilustres como Richard Burton, Albert Finney ou Robert Hardy no papel de Churchill. “A Hora Mais Negra” foi escolhido pelo Observador como um dos dois filmes da semana, e pode ler a crítica aqui.

“Três Cartazes à Beira da Estrada”

Escrito e rodado pelo argumentista, dramaturgo e realizador anglo-irlandês Martin McDonagh (“Sete Psicopatas”, “Em Bruges”), este filme foi o grande vencedor dos Globos de Ouro, um dos quais, o de Melhor Actriz Dramática, ganho por Frances McDormand. Ela interpreta Mildred Hayes, uma mulher da vila de Ebbing, no Missouri, cuja filha foi violada, morta e incinerada. Vários meses passados, e vendo que a investigação do crime não avança, Mildred aluga espaço em três cartazes na estrada que vai dar a Ebbing, para expressar a sua indignação perante a ineficácia do chefe de polícia Willoughby (Woody Harrelson). “Três Cartazes à Beira da Estrada” foi escolhido pelo Observador como um dos dois filmes da semana, e pode ler a crítica aqui.