A hotelaria registou em novembro aumentos homólogos de 10,2% no número de hóspedes e de 8,8% nas dormidas, mas os proveitos abrandaram o crescimento e o mercado britânico recuou pelo segundo mês consecutivo, revela o INE esta segunda-feira.

Os dados da atividade turística, divulgados pelo Instituto nacional de Estatística (INE) neste dia, mostram que os proveitos totais da hotelaria naquele mês cresceram 15,5%, revelando um abrandamento face ao aumento de 18,2% em outubro, e atingiram 178 milhões de euros. Os proveitos de aposento subiram 17,4%, mas menos do que o aumento de 22,7% em outubro, totalizando 124,9 milhões de euros.

Em novembro do ano passado, Portugal acolheu 1,2 milhões de hóspedes e registou 3,1 milhões de dormidas, correspondendo a variações de mais 10,2% e mais 8,8%, acima dos aumentos de 8,6% e de 6,5% em outubro, respetivamente. As dormidas dos mercados interno e externo aceleraram para crescimentos de 8,9% e 8,8% respetivamente, e também acima dos aumentos de 5,3% e 6,8% em outubro.

Mas a estada média, que resulta da diferença entre o número de dormidas e o número de hóspedes que deram origem a essas dormidas, foi de 2,53 noites e reduziu-se 1,3%, que chegou a uma queda de 4,6% no caso dos não residentes. A redução da estada média teve maior expressão nas Regiões Autónomas dos Açores, onde caiu 5,4%, e da Madeira (menos 4%), destacando-se os crescimentos no Centro (mais 2,5%) e no Alentejo (mais 2%).

Os treze principais mercados emissores de turistas, representaram 80,2% das dormidas de não residentes, tendo sido os mercados alemão e britânico os mais representativos, com uma quota semelhante, de 16,3% do total das dormidas de não residentes. O mercado britânico recuou pelo segundo mês consecutivo, caindo 7,7% em novembro, depois de uma descida de 5,4% em outubro.

“Estes resultados, à semelhança do mês anterior, poderão estar influenciados pelo cancelamento de alguns serviços de transporte aéreo nomeadamente entre o Reino Unido e os aeroportos de Faro e Funchal”, justifica o INE, adiantando que entre janeiro e novembro este mercado cresceu 1,5%.

Em novembro, as dormidas de hóspedes alemães cresceram 5%, quando nos primeiros onze meses do ano este mercado tinha aumentado 7,5%. O mercado espanhol, com uma quota de 8,7%, cresceu 16,4% em novembro e 1,7% desde janeiro, enquanto as dormidas de hóspedes vindos de França (7,9% do total), depois de recuarem consecutivamente desde maio, voltaram a crescer em novembro 13,3%.

Entre os principais países, o INE destaca os crescimentos em novembro dos mercados polaco (46,9%), norte-americano (37,1%) e italiano (26,6%).