As denúncias de assédio sexual contra figuras de Hollywood, políticos e gestores continuam. Depois de nomes como o produtor Harvey Weinstein ou o ator Kevin Spacey, agora é a vez de Michael Douglas ser acusado de assédio sexual. Susan Braudy — que trabalhou na produtora de Douglas três anos no final da década de 1980 — acusa o ator de ter utilizado várias vezes linguagem imprópria e de uma vez se ter masturbado em frente a ela durante uma reunião que tiveram numa das casas do ator.

Susan Braudy, numa entrevista ao programa Today da NBC News, conta que Douglas “pensava ser o rei do mundo” e que pensou que a poderia “humilhar sem qualquer consequência”. A autora e jornalista, que na altura era funcionária da empresa do ator, diz que Douglas tinha conversas com “conteúdo sexual pesado“, de forma repetida, ao longo dos anos em que trabalharam juntos. Descreve também um episódio ocorrido num encontro a dois no apartamento de Douglas em Nova Iorque, em que o ator se terá masturbado à frente de Susan. Na altura, Susan ficou “assustada”, mas decidiu não denunciar a situação, após se ter aconselhado com alguns amigos.

Antes de a história ser divulgada esta sexta-feira, Michael Douglas tentou fazer controlo de danos. No início do mês, o ator de 73 anos admitiu que utilizava uma “linguagem colorida” nos anos 1980, mas negou que alguma vez se ter masturbado em frente de Susana Braudy.

Há centenas de pessoas a acusar outras centenas de pessoas de assédio desde personalidades de Hollywood a políticos, passando por gestores de grandes empresas. O movimento #MeToo, que representa as mulheres e homens que denunciaram estes casos, foi eleito Figura do Ano pela Time.

A lista (sempre incompleta) dos 237 acusados de assédio sexual. 51 conhecidos, 36 não revelados, e 150 desconhecidos