Salário Mínimo Nacional

UGT exige salário mínimo de 615 euros em janeiro de 2019

A UGT vai propor o aumento do salário mínimo nacional para 615 euros. A central sindical quer que o novo valor entre em vigor em janeiro de 2019.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

A UGT vai propor, na concertação social, um aumento do salário mínimo nacional para 615 euros para vigorar a partir de janeiro do próximo ano, anunciou esta terça-feira a central sindical.

A decisão foi aprovada por unanimidade na reunião do secretariado nacional da central sindical, segundo comunicado à imprensa.

No documento, a UGT sublinha que, apesar de existir um acordo político entre o PS e a Esquerda no parlamento que prevê um aumento do salário mínimo para 600 euros 2019, “nada impede” que os parceiros sociais discutam outro valor que traduza “com realismo” o crescimento da economia.

Para a UGT “2018 terá de ser um ano de diálogo social”, mas a central liderada por Carlos Silva avisa que algumas matérias propostas pelo Governo para discussão na concertação social “dificilmente obterão o acordo da UGT”.

A central sindical diz que a disponibilidade para negociar e para alcançar acordos em 2018 na concertação social serão “predeterminados” pela “condicionante” de haver um compromisso por parte das confederações patronais em aceitarem discutir a proposta da UGT de 615 euros para o salário mínimo “com efeitos a 01 de janeiro de 2019”.

“Neste momento, com a aplicação dos 580 euros pelo Governo, em 2018, não retomaremos a nossa disponibilidade para compromissos sem a garantia de que os trabalhadores portugueses com menores rendimentos do trabalho terão em 2019 razões para esperar uma melhoria substancial do seu esforço”, sublinha a UGT.

O salário mínimo foi fixado em janeiro deste ano em 580 euros, sem acordo na concertação social devido às exigências das confederações patronais, nomeadamente o congelamento da legislação laboral e alterações ao Fundo de Compensação do Trabalho.

A central sindical diz que apesar de defender “a necessidade de estabilidade da legislação laboral, há matérias que devem ser objeto de discussão”, salientando que é “urgente” iniciar o debate sobre a negociação coletiva.

“Esta é uma discussão que terá de ser concluída antes de 30 de junho de 2018, data em que cessa o compromisso tripartido de não denúncia das convenções coletivas, assumido no acordo de janeiro de 2017”, lê-se no documento.

A UGT defende ainda que a discussão sobre o combate à precariedade e a revisão do regime de reformas antecipadas deve ser concluída.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eutanásia

Carta aos deputados do PSD sobre a eutanásia

Sofia Galvão

Os partidos não pediram um mandato aos eleitores em 2015 para alterar o statu quo no que diz respeito à eutanásia. Também por essa razão, os deputados do PSD têm a obrigação de votar contra.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)