Alunos da Escola Secundária do Restelo divulgaram, nas redes sociais, várias fotos de ratos mortos que encontraram “numa das salas do pavilhão de artes”, diz o Diário de Notícias. Captadas esta quinta-feira, as fotografias mostram dois ratos mortos no chão de uma sala, sendo que um deles evidencia sinais de decomposição. Há quem coloque a hipótese de os roedores terem sido colocados numa sala que tinha sido limpa, mas a Associação de Pais vai reunir-se amanhã com o delegado regional.

A escola foi encerrada no passado dia 25 de janeiro por causa de uma praga de ratos, tendo reaberto na última terça-feira, 30 de janeiro. Em setembro de 2017, já tinha havido um episódio semelhante: Ana Ferreira, da Associação de Pais da ES do Restelo, contou ao Observador que, mal viu as imagens, a associação entrou em contacto com Francisco Nunes, o Delegado Regional de Educação de Lisboa e Vale do Tejo. Via e-mail, a Associação pediu uma reunião de emergência que não tardou a ser aceite. Segundo a mesma Ana Ferreira, o encontro com o Delgado Regional vai decorrer já na próxima sexta-feira, 2 de fevereiro, às 16h30, e nele vão ser discutidas “soluções rápidas” para este problema que os pais classificam como sendo “completamente fora do bom senso.”

Praga de ratos fecha escola secundária do Restelo. É a segunda este ano letivo

“Expressámos a nossa preocupação ao dr. Francisco Nunes e já estabelecemos contacto com os grupos parlamentares, o Delegado de Saúde e o Presidente da Republica”, disse ainda a representante da associação de pais.”Preocupa-nos, principalmente, a falta de compromissos”, concluiu.

O Observador contactou outras fontes ligadas ao caso que levantaram a hipótese destes ratos terem sido colocados propositadamente numa sala que já tinha sido limpa. O facto de um deles estar em decomposição, só comprovaria a estranheza deste episódio específico.

2 fotos

Durante o período de cinco dias em que a escola esteve encerrada, todo o complexo foi alvo de uma extensa limpeza desratização, quem o afirma é Júlio Santos, o diretor da ES do Restelo que disse ao Correio da Manhã que “não há motivos para alarme porque a praga está controlada e está a ser acompanhada quer pela escola, quer pela Câmara Municipal e pela própria empresa de desratização.”