Rádio Observador

Desporto

Jogos Olímpicos da Coreia do Sul foram alvo de ciberataque

Organização do evento desportivo confirma o ataque que deixou servidores em baixo na abertura dos jogos mas não comenta os rumores de que a ação pode ter tido intervenção russa.

AFP/Getty Images

O sistema informático que serve a organização dos Jogos Olímpicos da Coreia do Sul foi alvo de um ataque informático poucas horas antes de a cerimónia de abertura e que se prolongou durante 12 horas. O site oficial do evento ficou em baixo, impossibilitando a compra e o levantamento de bilhetes, a rede de internet no Estádio Olímpico esteve inacessível e até as televisões do centro de imprensa deixaram de funcionar, reforçando os rumores de que houve mão russa no ataque. A organização não comenta.

A tese que correu com mais força em Pyeonchang nos últimos dias é a de que o ataque da última sexta-feira, em cima do arranque dos Jogos Olímpicos de Inverno na Coreia do Sul, partiu de Moscovo. Seria uma vingança pelo facto de o comité olímpico russo ter sido penalizado depois do escândalo de doping do jogos de Sochi, em 2014, e que impediu os atletas do país de competir sob a sua bandeira.

A organização dos jogos de Pyeongchang confirma o episódio, mas não vai mais longe. “Houve um ciberataque, o servidor foi atualizado ontem [sábado] durante o dia e sabemos qual a causa do problema”, disse o porta-voz do evento. Sung Baik-you recusou, no entanto, ser mais concreto. “Eles [os responsáveis técnicos] sabem o que aconteceu e isto é uma situação habitual durante os Jogos Olímpicos” mas “não vamos revelar a origem” do ataque. Baik-you remeteu mais dados para o momento em que a investigação estiver concluída. “Nao vos daríamows detlhares sobre uma investigação antes de ela estar concluída, particularmente tratando-se de questões de segurança que, nestes jogos, são incrivelmente importantes”, concluiu.

A fragilidade no sistema dos Jogos Olímpicos foi, entretanto, revista. Mas as consequências podem fazer sentir-se ainda durante o evento. O The Guardian escrevia este domingo que, a provar-se a intervenção de Moscovo no ataque, o Comité Olímpico Internacional poderá reverter a sua posição de levantar a suspensão à Rússia, mantendo a proibição de os atletas russos desfilar sobre a sua bandeira nacional na cerimónia de encerramento. Devido aos incidentes de Sochi, a comitiva russa compete com uma bandeira neutra.

Os atletas russos chegaram a estar impedidos de participar na competição e só em cima do evento — já no início de fevereiro — o Tribunal Arbitral do Desporto deu luz verde para a sua participação. Um grupo de 28 atletas ficou então a saber que o tribunal não tinha encontrado provas suficientes para impedir que competissem no maior evento desportivo do mundo. O que não significa que não tenha havido violações. Houve, mas “a proibição vital”, isto é, o afastamento da competição, “não se justificava”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)