Holanda

Ministro dos estrangeiros holandês demite-se devido a mentira sobre reunião com Putin

138

O ministro dos Negócios Estrangeiros holandês, Halbe Zijlstra, demitiu-se na sequência de ter mentido sobre a sua presença durante uma reunião com o Presidente russo, Vladimir Putin.

ATEF SAFADI/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O ministro dos Negócios Estrangeiros holandês, Halbe Zijlstra, demitiu-se hoje na sequência de ter mentido sobre a sua presença durante uma reunião com o Presidente russo, Vladimir Putin.

“Não tenho hoje outra opção a não ser de submeter a minha demissão a sua majestade, o Rei”, afirmou o governante no parlamento, visivelmente emocionado, pondo assim um ponto final na controvérsia que envolvia o seu nome.

O ministro, que ocupava o cargo desde outubro passado, tinha enfrentado hoje um debate difícil no parlamento, após ter admitido que mentiu sobre a sua presença numa reunião organizada pelo Presidente russo, na sua casa de campo, há mais de uma década.

Já era esperado que Halbe Zijlstra, membro do partido VVD (centro-direita), do primeiro-ministro Mark Rutte, enfrentasse questões difíceis e pedidos da sua demissão no parlamento.

No passado, o ministro da pasta diplomática afirmara que tinha participado numa reunião em 2006, quando Putin disse que considerava a Bielorrúsia, a Ucrânia e os Estados do Báltico como parte da “Grande Rússia”.

No entanto, Zijlstra nunca esteve naquele encontro, mas falou com um ex-dirigente da petrolífera Shell que participou no encontro em casa de Putin e que afirma nunca ter dito o que o ministro repetiu nos últimos anos sobre a ideia expansionista de Putin.

Esta fonte escreveu hoje uma carta à imprensa holandesa em que assegurou que Zijlstra fez uma má interpretação da conversa, porque Putin “falava em termos históricos” e não “num tom de ameaça” contra a Europa.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eutanásia

A democracia não é absoluta

Mário Pinto

Depois da enunciação da da dignidade da pessoa humana, a Constituição portuguesa faz a listagem enunciativa dos "Direitos, liberdades e garantias". E começa dizendo assim: "A vida humana é inviolável"

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)