Liga dos Campeões

Zidane e o momento difícil no Real Madrid: “Não penso no meu futuro”

Zinedine Zidane garante que o jogo de quarta-feira contra o Paris Saint-Germain, para os oitavos de final da Liga dos Campeões, não será decisivo para a sua continuidade como treinador do Real Madrid.

RODRIGO JIMENEZ/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Zinedine Zidane garante que o jogo de quarta-feira contra o Paris Saint-Germain, a contar para os oitavos de final da Liga dos Campeões, não será decisivo para a sua continuidade como treinador do Real Madrid.

“Não é uma final para mim, é um jogo da ‘Champions’ em que temos que jogar bom futebol. Se assim for, temos mais possibilidades de ganhar, de resto não penso no que poderá acontecer no futuro”, disse o técnico.

Zidane atravessa um momento complicado em Madrid, face à eliminação da Taça do Rei e à má campanha no campeonato, no qual a equipa de Cristiano Ronaldo segue no quarto lugar, a 17 pontos do rival FC Barcelona, embora com menos um jogo.

Na quarta-feira, os ‘merengues’, bicampeões europeus em título, recebem no Santiago Bernabéu o Paris Saint-Germain, que tem investido muito e ainda procura o sucesso europeu, numa época em que se reforçou com Neymar e Mbappe.

“Não penso no meu futuro, só no jogo de amanhã [quarta-feira]. É nisso que me concentro. O resto são coisas que não posso controlar, foco-me no campo e em fazer as coisas bem”, insistiu Zidane, que no Real conquistou oito troféus em dois anos.

Hoje, a equipa treinou na cidade desportiva de Valdebebas, numa sessão apenas aberta à imprensa durante poucos minutos e em que o único ausente foi o defesa Vallejo, com uma lesão muscular.

O Real Madrid joga a primeira mão dos oitavos de final na quarta-feira, com o PSG, no mesmo dia em que o FC Porto também recebe o Liverpool, com os dois jogos com início marcado para as 19h45 (horas de Lisboa).

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
CDS-PP

Liderar gerações

Francisco Rodrigues dos Santos

Dar lugar ao mérito não é deixar alguém entregue à sua sorte. Pelo contrário. É permitir que o Estado renove a autoridade, limitando-se às tarefas de providência para estar mais próximo dos cidadãos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)