Mais de 15 mil doentes com hepatite C iniciaram tratamento nos últimos três anos, situando-se a taxa de cura em 97%, anunciou esta sexta-feira o Infarmed. Desde que foi firmado o acordo para a utilização dos primeiros medicamentos antivíricos de ação direta aprovados em Portugal, foram concluídos mais de 12 mil tratamentos e 8.870 doentes ficaram curados.

Os dados inscritos no portal do Portal da Hepatite C, gerido pela Infarmed, revelam que até 14 de fevereiro foram autorizados 18.929 tratamentos no país, a maioria em homens (73%). A média etária é de 50 anos para os homens e de 55 para as mulheres.

“De realçar, a redução do número de tratamentos numa fase mais avançada da doença, nomeadamente de cirrose, nos doentes abrangidos”, afirma o Infarmed em comunicado.

O instituto indica que está em crescimento o número de doentes em fase precoce de tratamento, o que “claramente beneficia o prognóstico e o aumento da qualidade de vida”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Atualmente estão disponíveis no mercado sete medicamentos “de última geração” indicados para todos os tipos de hepatite C. “Está ainda aprovado um oitavo medicamento que aguarda o início de comercialização”, refere a autoridade que regula o comércio de medicamentos em Portugal.

“A decisão de tratar todas as pessoas infetadas pelo vírus da hepatite C faz com que Portugal seja um dos primeiros países europeus, e mesmo a nível mundial, a implementar uma medida estruturante para a eliminação deste grave problema de saúde pública”, acrescenta a Autoridade do Medicamento.

A instituição recorda que a Organização Mundial de Saúde tem defendido como meta para 2030 uma redução de 90% nas novas infeções crónicas e de 65% na mortalidade por estas doenças.

No passado dia 9, o Centro Hospitalar São João, anunciou que o acompanhamento iniciado há um ano no Estabelecimento Prisional do Porto aos indivíduos infetados pelo vírus da hepatite C atingiu o objetivo, “eliminando a doença”.