Congresso do PSD

Acordo entre Rio e Santana fechado às 3h57 no hotel Sana depois de maratona negocial no ‘camarim’

119

Acordo entre Rui Rio e Santana Lopes foi fechado no hotel Sana após horas de maratona negocial, que incluíram longa discussão num contentor junto ao palco do Congresso.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Foram horas e horas de negociação, mas perto das quatro da manhã saiu fumo branco: Rui Rio e Pedro Santana Lopes chegaram a acordo para listas conjuntas  aos principais órgãos nacionais (Conselho Nacional, Conselho de Jurisdição e Mesa do Congresso), excluindo a Comissão Política Nacional. Pelas 03h57, o diretor de campanha de Rio, Salvador Malheiro, confirmava ao Observador: “Já temos acordo.” O mesmo faria João Montenegro, diretor de campanha de Santana, horas depois. Nas listas, os lugares estão divididos de acordo com a proporcionalidade das diretas: 54%-46%. O acordo já não cai, mas este sábado vão continuar a ser discutidos quem são os nomes que ocupam os lugares.

O acordo foi selado no hotel do PSD, o Sana do Marquês de Pombal, onde estava hospedado Rui Rio, às 04hoo. Antes disso, João Montenegro e Salvador Malheiro — que são amigos, mantiveram sempre um tom cordial e tentaram salvar o acordo — em conjunto com outros membros das equipas de ambos os lados, como Pedro Pinto e Henrique Araújo estiveram várias horas a discutir numa espécie de camarim por detrás do palco da sala onde decorre o Congresso do partido.

O gabinete improvisado era um contentor branco, entre baias, vasos de plantas e um extintor, que se destacava por ter uma folha A4 com letras garrafais a dizer “Salvador Malheiro”. O diretor da campanha de Rui Rio falava alto e a sua voz não era indiferente a quem ali passava. O homem escolhido por Rio para liderar as negociações esteve de pé a maior parte do tempo. À mesa, no espaço de cerca de oito metros quatros, estavam sentados os restantes elementos das equipas negociais. Reuniram-se cerca da meia noite e meia, quando ainda eram apresentadas as moções temáticas no Centro de Congressos de Lisboa.

A sala improvisada para as negociações entre as duas equipas foi instalada ao fundo do pavilhão, exatamente atrás do busto de Francisco Sá Carneiro (que é trazido da sede nacional e não falta em nenhum congresso). Ali, discutiram-se nomes e posições nas listas aos vários órgãos nacionais, pelo menos até a equipa responsável pela segurança do espaço fazer sinal. “Temos 10 minutos, é isso?”, confirmou Henrique Araújo, braço-direito de Salvador Malheiro na Câmara de Ovar e elemento fundamental na disputa entre Rio e Santana. A essa hora, poucos minutos depois das 2h da manhã, ainda não havia acordo.

Salvador Malheiro confirmou isso mesmo ao Observador enquanto abandonava o centro de congressos. Era preciso acertar “nomes e lugares”, mas o tom era otimista. Pedro Pinto, que também esteve na sala no final da noite, acreditava no acordo. Estava difícil chegar a um entendimento? “Acho que não, até ao fim ainda há tempo”, admitia ao Observador o apoiante de Santana Lopes na corrida interna.

O camarim onde se discutiu, durante horas, o acordo

Por volta das 02h15 as equipas separaram-se. Precisaram de falar a sós, para ultimar detalhes. Mas voltaram a juntar-se perto das três da manhã no Hotel Sana, junto do Marquês de Pombal. Foi lá que chegaram a acordo, cerca de uma hora depois. O grande problema das negociações foi, confirmou o Observador junto de fontes próximas do processo, “sobretudo o número de pessoas que cada um dos lados deveria ter” nas listas. Ou seja: ambos os lados esticaram a corda ao máximo para conseguirem o máximo de representação possível dos seus nas listas aos órgãos nacionais.

Tanto João Montenegro como Salvador Malheiro já tinham as “linhas vermelhas” de Santana e Rio bem estudadas, não tendo trocado muitos contactos com os respetivos líder durante as várias horas de negociação. O último terá sido feito já perto das três da manhã, quando Santana e Rio terão validado a solução encontrada.

O diretor de campanha de Santana Lopes nas diretas, João Montenegro, explicou ao Observador que este acordo é uma “forma de acentuar a unidade do partido” e que, de ambas as partes, houve sempre uma “grande vontade” de garantir essa unidade. João Montenegro enquadra o acordo também numa ação mais ampla de promover a unidade do partido, que incluiu a chegada de Santana ao Congresso ao lado de Rui Rio. E explicou ainda ao Observador que o acordo foi feito para todos os órgãos menos para a Comissão Política Nacional, por ser “um órgão de confiança do líder do partido”. Ou seja, aí, a escolha é, como habitual, da exclusiva responsabilidade do presidente do PSD.

Santana a número 1, Arlindo Cunha e Telmo Faria nos primeiros lugares

Tal como tinha sido veiculado numa fase inicial, Santana Lopes mantém-se como “número um” da lista apoiada por Rui Rio ao Conselho Nacional. Nos primeiros dez lugares da lista estão já confirmados nomes como Paulo Rangel (que já revelou ser o nº2), o secretário-geral cessante José Matos Rosa, Arlindo Cunha e Telmo Faria.

Durante este sábado vão continuar as negociações sobre nomes e lugares. João Montenegro e Salvador Malheiro vão continuar a discutir, mas já nada abalará o acordo. Até as 19h00 as listas terão de ser entregues à mesa. Já há também movimentações para várias outras listas ao Conselho Nacional, havendo listas alternativas à do líder para o Conselho Nacional de Jurisidição.

O semanário Expresso deste sábado avançava com nomes de vários dos órgãos do PSD:

  • Paulo Mota Pinto, antigo vice-presidente do PSD (no tempo de Ferreira Leite) será o candidato da lista apoiada por Rui Rio à presidência da Mesa do Congresso.
  • Nunes Liberato, antigo chefe da Casa Civil de Cavaco Silva, será o candidato da lista apoiada por Rui Rio à presidência do Conselho de Jurisdição do PSD.
  • Catarina Rocha Ferreira, advogada do Porto que ajudou David Justino com a moção de estratégia, é o nome escolhido para a Comissão de Auditoria Financeira.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
PSD

Condenados ao fracasso

Zita Seabra
182

O PSD não precisa de ser confrontado do exterior e desafiado em ano de eleições. Necessita sim de se renovar e se questionar de dentro e por dentro e de sair da tristeza e do vazio em que se encontra.

Rui Rio

Os frágeis

Helena Matos
781

Estamos na mão dos frágeis. Rui Rio ganhou um congresso do seu partido; Costa perdeu as legislativas. Qual a legitimidade de Rui Rio para fazer acordos com Costa em matérias como a regionalização?

Congresso do PSD

Rui Rio, um novo Presidente?

José Pinto

Mostrar disponibilidade para consensos com os outros partidos parece uma ideia salutar. O problema reside na dúvida sobre a forma como Rui Rio pretende materializar essa ideia. 

Rui Rio

O PSD entrou para o «condomínio»?

Manuel Villaverde Cabral
125

Por mais que isso pareça inquietar a direcção do PSD, esta só tem como caminho opor-se frontalmente à actual política governamental. O contrário será eleitoralmente inútil e politicamente regressivo. 

Rui Rio

As prioridades do “novo PSD”

Helena Garrido
107

Descentralização, fundos comunitários, segurança social e justiça são as prioridades de Rio carentes de consensos. De todas elas a mais urgente é a segurança social. A menos compreensível é a justiça.

Eleições Europeias

Querida Europa...

Inês Pina

Sabemos que nos pedes para votarmos de cinco em cinco anos, nem é muito, mas olha é uma maçada! É sempre no dia em que o primo casa, a viagem está marcada, em que há almoço de família…

Educação

Aprendizagem combinada: o futuro do ensino

Patrick Götz

Só integrando a tecnologia na escola se pode dar resposta às necessidades do futuro, no qual os futuros trabalhadores, mesmo que não trabalhando na indústria tecnológica, terão de possuir conhecimento

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)