Ryanair

Tripulantes da Ryanair marcam greve para 29 de março, 1 e 4 de abril

Os tripulantes de cabine da Ryanair exigem o cumprimento da legislação laboral e afirmam que as condições de trabalho se têm deteriorado nos últimos anos. Há greve a 29 de março, 1 e 4 de abril.

Os tripulantes de cabine da companhia aérea anunciaram uma greve para os dias 29 de março, 1 e 4 de abril

JOERG HALISCH/EPA

Os tripulantes de cabine da Ryanair anunciaram esta quinta-feira que vão estar em greve nos dias 29 de março, 1 e 4 de abril, exigindo o cumprimento da legislação laboral.

“Considerando que é de toda a legitimidade os tripulantes de cabine ao serviço da Ryanair exigirem o cumprimento da Constituição da República e [tendo em conta] que a Ryanair não cumpre a legislação laboral [e] que as condições de trabalho se têm deteriorado nos últimos anos […], este sindicato vem apresentar um pré-aviso de greve a realizar no dia 29 de março e nos dias 1 e 4 de abril”, lê-se no aviso do Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC), publicado hoje na imprensa.

O SNPVAC indica que a greve é decretada para todos os voos, cujas horas de apresentação ocorram entre as 00h00 e as 23h59 dos dias em questão, bem como para os demais serviços, como “assistência ou qualquer tarefa no solo”.

De acordo com o sindicato, os tripulantes de cabine da companhia irlandesa têm sofrido “‘bullying’, processos disciplinares abusivos, condicionamento psicológico, ameaças de transferência de base”, em caso de não cumprimento dos objetivos de vendas estipulados, e “o total desrespeito” pelas leis da parentalidade, tornando a situação laboral na empresa “insustentável”.

Em 15 de fevereiro, após uma assembleia-geral de emergência, os tripulantes de cabine da Ryanair acordaram o agendamento de três dias de greve em março e abril, não tendo apontado, na altura, a data concreta para a sua realização.

Segundo a moção aprovada na altura, a que a Lusa teve acesso, os tripulantes criticavam ainda a transportadora por não pagar um salário mensal mínimo, garantido em Portugal, aos trabalhadores contratados por duas agências e por só se garantir a retribuição mínima se houver uma redução salarial.

À empresa foi também apontada a existência de “contratos precários há mais de 10 anos”, a recusa em tratar os tripulantes com o “mínimo de respeito e dignidade humana, exigível a qualquer empresa a laborar em Portugal”, e o adiamento do diálogo com os sindicatos dos tripulantes.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)