Rádio Observador

Bloco de Esquerda

Catarina Martins dispensa PSD. “Não sentimos qualquer necessidade de diálogo”

718

Catarina Martins não quer Rui Rio sentado à mesa da "geringonça". Perante os evidentes sinais de reaproximação entre PS e PSD, a bloquista deixou claro que Rio não é desejado - e avisou António Costa.

MÁRIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Miguel Santos Carrapatoso

Não, muito obrigado. É desta forma que Catarina Martins responde à disponibilidade já demonstrada por Rui Rio para dialogar com todos os partidos em matérias tão centrais como o novo quadro de apoio comunitário e o dossiê da descentralização. Numa altura em que socialistas e sociais-democratas vão ensaiando os primeiros passos dessa valsa, a coordenadora bloquista foi taxativa: “O Bloco de Esquerda não sente qualquer necessidade desse diálogo“.

Na conferência de imprensa que marcou o arranque das jornadas parlamentares do Bloco de Esquerda no distrito de Leiria, Catarina Martins descartou qualquer tipo de conversação com os sociais-democratas e fez marcação cerrada aos socialistas: António Costa terá de levar em conta as propostas do Bloco de Esquerda em matéria de investimento público e romper de vez com os princípios que têm norteado a aplicação dos fundos comunitários, pediu a bloquista, para quem as decisões tomadas em quadros comunitários anteriores são reflexos do “monopólio do Bloco Central“, que tem servido apenas para alimentar “interesses particulares e setores privilegiados da economia”.

Mesmo com António Costa a jurar a pés juntos que toda e qualquer negociação passará sempre pelos parceiros que compõem a atual maioria parlamentar, o desconforto à esquerda com a reaproximação entre PS e PSD já é evidente. Ainda para mais numa semana em que acontecem as primeiras reuniões de trabalho entre socialistas e sociais-democratas: os ministros Eduardo Cabrita e Pedro Marques, da Administração Interna e do Planeamento e Infraestruturas, respetivamente, vão reunir Álvaro Amaro e Manuel Castro Almeida, dois homens do núcleo duro de Rui Rio.

Perante as movimentações políticas que se vão fazendo, Catarina Martins fez questão de deixar um aviso à navegação socialista: “Se um acordo à esquerda permitiu uma recuperação de salários e pensões, algum crescimento económico e criação de emprego também só um acordo que seja com a esquerda pode permitir opções de investimento público que combatam os problemas estruturais da economia portuguesa, nomeadamente combatam os setores rentistas, o endividamento externo, a assimetria do território e o défice social que tem o nosso país”. Uma aliança entre PS e PSD, insistiu a bloquista, perpetuará a lógica de bloco central de interesses e clientelas.

Aliás, ao longo da sua intervenção, a coordenadora do Bloco de Esquerda fez questão de repetir várias vezes que “não há Orçamento do Estado sem investimento público e não há Portugal 2030 sem investimento”. A determinada altura, Catarina Martins chegou mesmo a dizer que “não há gavetas separadas”. Desafiada a esclarecer se isso significava que o Bloco de Esquerda fazia depender a aprovação do Orçamento do Estado para 2019 das negociações em matéria de investimento, a bloquista resistiu. “Temos ficado aquém. Esperemos que se possa fazer mais”, rematou Catarina Martins.

Os bloquistas iniciaram o primeiro dia de jornadas parlamentares com uma viagem de comboio entre Torres Vedras e Caldas da Rainha. O objetivo era denunciar a falta de investimento na ferrovia e recomendar ao Governo socialista que aposte na requalificação integral da linha ferroviária do Oeste, revendo a proposta atual que só prevê a requalificação de 20% da linha.

As críticas do Bloco de Esquerda à falta de investimento no setor ferroviário têm sido, de resto, uma constante desde o início da legislatura. Neste momento, sabe-se que apenas 15% das obras prometidas pelo Governo para a ferrovia estão em curso e que permanecem por resolver muitos problemas estruturais nas linhas de comboio — também por isso Catarina Martins não deixou de notar que o deputado bloquista Jorge Falcato não pôde seguir na viagem porque o comboio onde seguiu a comitiva não tem acesso para deficientes motores.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Liberalismo

De onde vem a riqueza?

Telmo Ferreira

A riqueza vem das instituições políticas e económicas que permitem uma sociedade pluralista que consiga aproveitar todos os benefícios da liberdade individual e económica.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)