Parlamento

Parlamento retoma debate sobre pacote da transparência para a semana

PSD está pronto e o (ainda) presidente da comissão eventual da transparência vai convocar uma reunião para a semana. O primeiro ponto é a mudança de presidente.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Na próxima semana o Parlamento volta a pegar nos temas da transparência no exercício de funções públicas. A comissão eventual estava suspensa à espera da reorganização interna do PSD, mas retoma agora os trabalhos começando por uma mudança de presidente. O arranque para a fase de votação das propostas dos partidos começa, assim, dias depois de o Grupo de Estados contra a Corrupção (GRECO), do Conselho da Europa, ter mostrado insatisfação com a falta de avanços no Parlamento sobre as recomendações feitas há três anos em matéria de conflitos de interesses, controlo de riqueza e código de conduta.

O presidente da comissão eventual (ainda) é Fernando Negrão que disse ao Observador que vai marcar uma reunião para o início da próxima semana e que servirá para passar a pasta a um novo presidente, já que entretanto foi eleito presidente do grupo parlamentar social-democrata. Negrão não avança quem será o seu sucessor, no entanto, a escolha deve recair sobre Luís Marques Guedes, que é atualmente o coordenador do PSD nessa comissão.

Negrão também diz que a nova direção do partido “já definiu uma linha” a seguir nas votações de cada uma das iniciativas legislativas dos partidos que estão nesta comissão e que tocam temas como um código de conduta para os deputados, alterações ao regime de incompatibilidades e impedimentos dos titulares de cargos políticos e de altos cargos públicos, enriquecimento injustificado, controlo de riqueza dos titulares de cargos públicos, estatuto do deputado e ainda a legitimação da prática do lobbying na Assembleia da República.

O PSD tem cinco iniciativas legislativas entregues para serem votadas na comissão eventual, das 22 que existem, e não exclui que ainda possam entrar outras no decorrer da votação da especialidade (um palavrão que, no léxico parlamentar, quer dizer que os projetos são dissecados e votados um a um, artigo a artigo). Um dos capítulos que o PSD ainda mantém em aberto é o do lobby. O CDS e o PS têm iniciativas que legalizam a existência desta prática no Parlamento, e o PSD tem um projeto alinhado que vai no mesmo sentido, mas decidirá mais adiante se avançará com ele, explicou o líder parlamentar.

Quanto às declarações de Rui Rio sobre o pacote legislativo da transparência, Negrão também não detalha que tradução terá nas votações do PSD. Rio disse, em entrevista à Antena 1, que não alinha em “populismo e demagogia” e mostra-se pouco receptivo a um reforço de restrições aos deputados. Ora, o PS, por exemplo, tem entre os seus projetos limitações para deputados que tenham a advocacia como atividade profissional paralela. Confrontado com esta proposta concreta, Negrão não diz ser “líquido” que o PSD vote contra. Depende da negociação que vai ser feita sobre cada um dos projetos que serão votados nas próximas semanas.

A discussão sobre estes temas também não está firme na bancada do PS. Recorde-se que nas últimas jornadas parlamentares do partido, em Coimbra, muitas foram as vozes que se levantaram para criticar as iniciativas legislativas alinhadas pela direcção do grupo parlamentar.

Ao Observador o coordenador do PS na comissão eventual diz que não há recuos nas propostas que o partido já apresentou e que o grupo parlamentar só está a aguardar que os trabalhos retomem. Quanto ao que diz o GRECO, Pedro Delgado Alves diz que apenas uma recomendação de 2015 foi seguida “mas todas as outras estão pendentes e em discussão”. “Estamos a proceder a alterações, se o relatório de avaliação fosse daqui a seis meses, o resultado seriam mais recomendações seguidas”. E quanto ao tempo que os deputados levaram a avançar nesta matéria, o deputado socialista diz que “isto é uma democracia, demora a construir consensos”.

Na avaliação do GRECO sobre as 15 recomendações deixadas a deputados e juízes há três anos, fica o registo “com interesse” de uma “reforma ambiciosa” que o país está a lançar para “reforçar a integridade, aumentar a responsabilidade e aumentar a transparência” de vários titulares de cargos públicos, incluindo deputados. Mas, três anos depois das recomendações feitas, o GRECO também diz que estas questões ainda estão “numa fase relativamente inicial e precisam de maior clareza e concretização”. Nomeadamente, em matéria de conflito de interesses de deputados, nas declarações de património e nas sanções aplicadas a quem não cumpre o que está na lei.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rtavares@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)