Rádio Observador

Videojogos

“Scribblenauts Showdown”: palavras leva-as o vento

"Scribblenauts Showdown" é o mais recente jogo de uma série caricata que sacrificou a sua própria identidade para apelar a um público mais vasto. O Rubber Chicken experimentou-o.

"Scribblenauts Showdown" é o primeiro jogo da série que não foi desenvolvido pelos seus criadores originais, o estúdio 5thCell.

Autor
  • Rubber Chicken

Quando Scribblenauts foi originalmente lançado em 2009 para a Nintendo DS, a sua abordagem era completamente inesperada e diferente de qualquer coisa feita até então. O estúdio 5thCell criou um jogo de puzzle com níveis objetivos, que consistiam em apanhar uma pequena estrela colocada em locais e situações aparentemente inacessíveis. Para isso, o protagonista Maxwell tinha à sua disposição um bloco de notas especial que lhe permitia materializar milhares de palavras. Resolver cada puzzle passava então a ser um momento de riso com as nossas tentativas, num claro exemplo de que o caminho é mais interessante do que o fim.

Lembro-me das primeiras horas de contacto com este jogo e de perceber o quão aberto era. Precisava de chegar a um local alto então escrevi “ladder” e um escadote apareceu. E se escrever “bycicle”? “Monster”? E “God”? E tudo isto se foi materializando no traço infantil característico de Scribblenauts e apanhar a pequena estrela passava então para segundo plano. Toda a diversão de experimentar as palavras mais tresloucadas superava largamente os puzzles, mas era fácil de perceber que a intenção original dos criadores era mesma essa: dar-nos uma plataforma divertida para tentarmos a conjugação de palavras mais estranha de que nos lembrássemos.

O mais recente jogo, Scribblenauts Showdown, foi lançado para PlayStation 4, Xbox One e Nintendo Switch com um preço de aproximadamente 39,99 euros. Este tenta desesperadamente levar este conceito de draw-to-life aplicados aos jogos de festa, conseguindo não só falhar em casar as duas ideias, como fazer algo de interessante sem a soma das partes.

Retirada a ideia de puzzle game com progressão de níveis, Scribblenauts Showdown quer ocupar o espaço dos party games, algo óbvio nos modos que dispõe. O primeiro de todos é o Versus que nos permite desafiar um amigo (ou o computador) para um número pré-definido de mini-jogos dentro dos 25 disponíveis. Entre estes contam-se aqueles que necessitam de utilização de palavras ou outro mais simples e gestuais (similares aos de 1-2-3 Switch), que podem ser jogados praticamente por todos. Os que mais joguei com o meu filho (que ainda não sabe ler) foram os segundos mas, ainda que estes sejam divertidos, nada têm que nos lembre de Scribblenauts e das qualidades que fazem deste jogo verdadeiramente único no mercado.

O modo principal deste novo Scribblenauts acaba por ser aquele que lhe dá nome. Showdown segue o hábito de tantos outros party games (dos quais Mario Party é um dos precursores) e cria um jogo de tabuleiro em que cada casa é um mini-jogo competitivo que determina os passos dos jogadores. Como party game é perfeitamente banal e não consegue aplicar os melhores exemplos que já existem de jogos de grupo ou incorporar da melhor forma os elementos únicos de Scribblenauts. O resultado é mediano.

O modo mais fiel aos princípios da série é mesmo o modo Sandbox, que pode ser jogado em cooperação com outro jogador e que nos permite utilizar uma das 35 mil palavras disponíveis no jogo para ultrapassarmos o cenário pré-definido, que pode ser terminado em menos de uma hora. Um modo que é na prática uma versão aligeirada dos divertidos e narrativos puzzles dos jogos anteriores, que nos puxavam pela imaginação e pela criatividade.

Scribblenauts Showdown é o parente pobre de uma série que não tem comparação no mercado de videojogos. Um conceito algo louco mas cuja abertura da tradução entre palavras e objectos se transformou num dos jogos mais únicos do mercado recente. Esta transposição para party game banalizou-o, transformando-o em mais um exemplo mediano de um mercado pejado de melhores exemplos de jogos de festa. Percebe-se algum desnorte da Warner Bros., proprietária da série, ao ter entregue o desenvolvimento deste jogo a um novo estúdio depois da “falência” da empresa 5th Cell, que desenvolveu e criou quase todos o Scribblenauts. O primeiro jogo desenvolvido pelo estúdio Shiver Entertainment é assim a pior iteração da história da marca, que na tentativa de se abrir para o mercado das consolas domésticas acabou por perder tudo aquilo que lhe dava identidade.

Ricardo Correia, Rubber Chicken

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)