O escritor escocês Philip Kerr, conhecido pelos seus romances policiais, morreu na sexta-feira aos 62 anos, divulgou a sua editora, lamentando a perda de um “homem maravilhoso e um grande autor”.

“Estamos muito tristes por anunciar hoje a morte de Philip Kerr, um homem maravilhoso e um grande autor”, escreveu a editora Quercus Books? numa publicação feita há 15 horas na rede social Twitter.

A Quercus Books acrescenta estar “solidária com [a mulher], Jane Thynne, e a sua família, amigos e colegas neste momento difícil”.

Também através do Twitter, Jane Thynne, escritora e jornalista, lamentou a morte do marido.

“Descansa em paz, meu querido Philip Kerr, criador do maravilhoso [detetive] Bernie Gunther”, uma personagem inventada em 1989.

Segundo Jane Thynne, Philip Kerr era um “escritor genial e um adorado pai e marido”.

Nascido em Edimburgo, capital da Escócia, em 1956, Philip Kerr ficou conhecido pelos romances policiais que giravam em torno da personagem Bernie Gunther, entre os quais “O Projeto Janus” e “Se os mortos não ressuscitam”, pelos quais foi galardoado, em 2009, com os prémios CWA Ellis Peters Historical e RBA International for Crime Writing.

Além de 14 romances, escreveu livros juvenis com o pseudónimo de P. B. Kerr.

Vivia em Londres, Inglaterra.