Guerra

OMS diz ter relatos de 500 pessoas com sinais de exposição a químicos na Síria

Relatos recolhidos pela Organização Mundial de Saúde junto de parceiros na Síria indicam que cerca de 500 pacientes revelam sinais de exposição a químicos tóxicos após o ataque de sábado em Douma.

EMAD ALDIN/EPA

Relatos recolhidos pela Organização Mundial de Saúde (OMS) junto de parceiros na Síria indicam que cerca de 500 pacientes revelam sinais de exposição a químicos tóxicos após o ataque de sábado em Douma, escreve a agência em comunicado. Segundo aquela agência das Nações Unidas, os pacientes assistidos nos serviços de saúde mostravam “sinais de irritação severa das mucosas, falência respiratória e perturbação do sistema nervoso central”.

A OMS, que não confirma definitivamente ter-se tratado de um ataque com armas químicas, pede “acesso livre” à cidade de Douma para verificar os relatos. A organização cita também relatos sobre a morte de mais de 70 pessoas em abrigos subterrâneos, afirmando que 43 dessas vítimas manifestavam sinais “consistentes com a exposição a químicos altamente tóxicos”. Mais de 40 pessoas morreram no sábado num ataque contra a cidade rebelde de Douma, que segundo organizações não-governamentais no terreno foi realizado com armas químicas.

A oposição síria e vários países acusam o regime de Bashar al-Assad da autoria do ataque, mas Damasco nega e o seu principal aliado, a Rússia, afirmou que peritos russos que se deslocaram ao local não encontraram “nenhum vestígio” de substâncias químicas. A Síria, que entrou no oitavo ano de guerra, vive um drama humanitário perante um conflito que já fez pelo menos 511 mil mortos, incluindo 350 mil civis, e milhões de deslocados e refugiados.

Desencadeado em março de 2011 pela violenta repressão do regime de Bashar al-Assad de manifestações pacíficas, o conflito na Síria ganhou ao longo dos anos uma enorme complexidade, com o envolvimento de países estrangeiros e de grupos ‘jihadistas’, e várias frentes de combate.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Terrorismo

Rebeldes, separatistas e equívocos

Diogo Noivo

Para precaver reincidências, importa chamar as coisas pelos nomes. No referente à ETA, as palavras “rebeldes” e “separatistas” são equívocos que devem ser evitados, pois foi uma organização terrorista

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)