Videojogos

Games for Good: o evento que quer fazer videojogos por boas causas arranca este fim de semana

106

Decorre este fim-de-semana a segunda edição da única "game jam" de responsabilidade social em Portugal. O Games for Good começa esta sexta-feira, no IADE, em Lisboa.

A segunda edição do Games for Good conta com a participação de quatro organizações não-governamentais portuguesas

Getty Images/iStockphoto/scyther5

Autor
  • Rubber Chicken

A segunda edição do Games for Good, a única game jam de responsabilidade social em Portugal, decorre este fim-de-semana, de 13 a 15 de abril, no IADE. Num panorama em que as game jams — eventos em que uma série de criadores se encontram presencialmente ou online para desenvolver jogos com a mesma premissa em 48 ou 72 horas — se multiplicam pelo nosso país e pelo mundo, o Games for Good quis ser uma ferramenta de resposta à resolução dos problemas sociais.

Este ano, a organização do evento (constituída pela Universidade Europeia, Ludoteca e Bee Engineering), ligou-se ao Banco Alimentar contra a Fome, à União das Mutualidades Portuguesas, à Humanus e à Plataforma de Apoio aos Refugiados para que, durante este fim-de-semana, os artistas, game designers e programadores presentes possam criar videojogos que sirvam para apoiar de forma interatuva as causas destas organizações.

Além de ser uma game jam única e de gerar debate em torno das aplicações de gamificação aparentemente fora do espectro dos videojogos e dos objetos interativos, as organizações não-governamentais envolvidas vão poder perceber como é que os game devs conseguem pensar os problemas de um perspetiva exterior, sugerindo propostas que envolvam o público.

A game jam propriamente dita será dividida em dois segmentos: um destinado aos alunos do ensino secundário, que incluirá formações e workshops, e um segundo apontado para game devs profissionais e estudantes do ensino superior. As duas vertentes decorrerão em simultâneo e terão uma programação distinta, que poderá ser consultado na página do evento, aqui.

Ricardo Correia, Rubber Chicken

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Mar

Duas doses de espinhas para levar

Miguel Herédia

Num horizonte já não muito distante, é possível que as espinhas venham a ter mais valor do que o peixe que comemos, sobretudo por via das indústrias farmacêutica e nutracêutica.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)