Rádio Observador

TAP

TAP cancelou 557 voos no primeiro trimestre

A transportadora aérea nacional TAP cancelou 557 voos durante o primeiro trimestre, segundo dados fornecidos pela empresa britânica de estatísticas OAG.

LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A transportadora aérea nacional TAP cancelou 557 voos durante o primeiro trimestre, segundo dados fornecidos pela empresa britânica de estatísticas OAG, que mensalmente divulga relatórios de pontualidade de companhias e aeroportos.

Em resposta a questões da agência Lusa, a empresa revelou o cancelamento de 75 voos da TAP em janeiro, enquanto em fevereiro verificaram-se 117.

Em março, a transportadora registou 365 cancelamentos, segundo fonte da OAG, que agrega dados enviados por companhias aéreas e autoridades, tendo “apenas começado a receber [informações] da TAP nos últimos meses”.

No relatório público mensal, as estatísticas da OAG mostraram que em março 1,6% dos voos da TAP foram cancelados e que 57,6% das chegadas não sofreram atrasos superiores a 15 minutos, num mês com 10.875 voos. No ‘ranking’ da pontualidade, a transportadora estava no 151.º lugar entre 156 companhias.

Neste mês, a mais pontual foi a T’way Air (Coreia do Sul) e a menos a Tassili Airlines (Argélia).

Em março de 2017, a companhia aérea nacional TAP somava 75,1% de chegadas sem atrasos e ocupava o 85.º lugar no ‘ranking’ de pontualidade entre 129 transportadoras, sem haver registo do número de voos cancelados.

No primeiro mês de 2018, nos relatórios publicados pela empresa de estatísticas, a TAP cancelou 0,3% de voos e teve 75,1% de chegadas sem atrasos, o que se traduziu num 89.º posto em relação a pontualidades num ‘ranking’ de 155 companhias aéreas. O total de voos foi de 10.575 voos.

Em fevereiro de 2018, a TAP contabilizou 0,6% de cancelamentos, 75,7% de chegadas sem atrasos, tendo colocado a companhia na 83.ª posição entre 155 transportadoras na classificação da pontualidade. No segundo mês do ano registaram-se 9.376 voos.

Sobre outras companhias portuguesas, o último boletim estatístico divulgado pela OAG mostra a SATA Air Açores em 149.º lugar (59% de chegadas sem atrasos e 3,6% de cancelamentos) no ‘ranking’ de pontualidade de março de 2018. O número total de voos foi 1.041.

Sobre a Azores Airlines (ex-SATA International), a lista de março revela 493 voos e um 154.º posto na pontualidade (41,2% sem atrasos e 3,2% de cancelamentos).

De Portugal consta ainda a Aero VIP, com 388 voos regionais, e que teve 94,3% chegadas sem atrasos e 1,6% de cancelamentos, enquanto a Orbest (filial da Evelop Airlines) operou com sucesso todos os 12 voos no terceiro mês de 2018.

Na análise estatística de 1.194 aeroportos em março de 2018, Lisboa ficou no 1.176 .º lugar de pontualidade (47,7% de partidas sem atrasos e 1,3% de cancelamentos).

Em termos de movimentos, com 8.318 voos o aeroporto da capital foi a 82.º infraestrutura, entre 1.200, a contabilizar mais ligações.

O Porto estava na 1.158.ª posição na pontualidade (53% de partidas sem atrasos e 2,1% de cancelamentos e 3.331 voos), enquanto Faro seguia no 1.140.º posto (57% de partidas sem atraso, 1,4% cancelamentos e 1.393 voos) e o Funchal no 1.113.º lugar (61% de partidas sem atrasos, 5,3% cancelamentos e 845 voos).

No arquipélago dos Açores, Ponta Delgada ocupou o 1.141. º posto na lista da pontualidade (56,8% partidas sem atrasos, 1,5% de cancelamentos e 621 voos), o aeroporto da Terceira seguiu em 1.128. º lugar (58,6% de partidas sem atrasos, 1,9% de cancelamentos e 410 voos) e a Horta esteve no 1.173.º posto (49,3% de partidas sem atrasos, 7,9% cancelamentos e 161 voos).

Esta lista de março foi liderada pelo aeroporto alemão Saarbruecken (99,1% de chegadas sem atrasos, 0,9% de cancelamentos e 219 voos), enquanto no extremo oposto esteve o aeroporto da localidade venezuelana Barcelona, a 300 quilómetros de Caracas, (14,8% de chegadas sem atraso, 5,3% de cancelamentos e 243 voos).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)