Rádio Observador

Séries

“O Mecanismo”. Este Brasil na TV é ficção ou realidade?

Em "A Casa de Papel" luta-se contra o sistema, mas na série de José Padilha o alvo perpetua-se. É o caso "Lava Jato" na TV, mas não é só, e tem dado audiências e polémica. Está disponível na Netflix.

Autor
  • André Almeida Santos
Mais sobre

O mecanismo. O mecanismo? O mecanismo! Perdoem a repetição, mas é mais ou menos esta a sequência com que Marco Ruffo (Selton Mello) decifra — precisamente — o mecanismo que está a tentar derrubar na série criada por José Padilha para a Netflix e que se estreou no passado dia 23 de março. A adaptação do livro de Vladimir Netto, Lava JatoO Juiz Sergio Moro e os Bastidores da Operação que Abalou o Brasil, surgiu num momento oportuno no Brasil e causou sururu no país. Questionou-se realidade com ficção, acusou-se a liberdade criativa da série e até houve manifestações de boicote ao serviço de streaming.

Em tempos de fake news, é natural que o público, cronistas, pensadores e políticos tenham, por vezes, dificuldades em lidar com essa coisa chamada ficção. Principalmente se é um produto televisivo e se é transmitido a uma escala global. Por mais inspiração que “O Mecanismo” absorva do que aconteceu no caso Lava Jato, pela própria tangibilidade com a realidade e o seu oportunismo ou o pouco esforço em disfarçar alguns nomes de personagens — como Ricardo Brecht (Emílio Orciollo Netto)/Marcelo Odebrecht, Samuel Themes (Tonio Carvalho)/Michel Temer ou nomes de empresas como Petrobrasil/Petrobras e Grupo OAS que vira OSA na série — isto é, de facto, ficção.

Mas o que é “O Mecanismo” e porque é que vale a pena ver? Será que está ao nível de outras séries fora do contexto norte-americano e anglo-saxónico que têm estreado nos últimos meses na Netflix, como “Dark” ou “A Casa de Papel”? Uma coisa pode-se avançar já: se a criação de José Padilha ainda está na listinha de coisas para ver, pare já o que está a fazer – mesmo que seja “A Casa de Papel” – e avance para a série brasileira e perceba as razões de todo o ruído que se fez em volta da sua estreia.

O mecanismo

Se é para explicar algo que é pouco claro, o melhor é dar logo tudo. Uma das razões para “O Mecanismo” funcionar bem no imediato passa por enfiar o dito mecanismo no enredo ao início e meter o espectador numa situação de total desarme. Isso acontece nos primeiros minutos da série, quando Marco Ruffo decide que é hora de sujar as mãos e agarrar a corrupção pelos cornos. E fica óbvio de que o tal mecanismo é um sinónimo de corrupção e uma forma do sistema funcionar. Está em todo o lado.

Inclusive na polícia. A demora de Marco Ruffo em avançar para o caso acontece pelos bloqueios à sua volta. Ele quer fazer o seu trabalho de inspetor policial, mas o mecanismo está tão entranhado no funcionalismo de qualquer instituição brasileira que o jogo começa logo viciado. No fundo, o que Padilha faz é comprimir as regras sugeridas por “The Wire”, a série de David Simon para a HBO, e desmontar um sistema a partir das teias de corrupção que chegam à polícia/justiça e a impossibilidade, ou dificuldade, de qualquer movimento de ataque.

“Lava Jato – O Juiz Sergio Moro e os Bastidores da Operação que Abalou o Brasil”; o livro de Vladimir Netto que inspirou “O Mecanismo”

Num jogo com peças em movimento, Padilha quis explorar a luta contra uma malha de corrupção tão interligada. A primeira peça a cair é Marco Ruffo, o indivíduo que quer deitar tudo abaixo, o “bom” da pintura inicial e que é imediatamente derrotado pela força com que o mecanismo cai em si, no seu trabalho, investigação, na sua vida familiar. O primeiro episódio apresenta um mártir e, depressa, também diz que todas as batalhas precisam dos seus mártires, que a posteriori serão transformados em heróis. Marco Ruffo, independentemente do que acontece a seguir, é o herói que um enredo destes precisa para mostrar como o mecanismo funciona.

O mecanismo?

Com Ruffo fora do palco, Caroline Abras (Verena Cardoni) entra para mostrar que é possível. Começa por atacar um dos inimigos de Ruffo, Roberto Ibrahim (Enrique Diaz), e rapidamente entram novos fatores dentro de “O Mecanismo”. No primeiro episódio percebe-se a intenção de desmantelar a corrupção, a partir do segundo trabalha-se a sua escala. Numa questão de cenas começa-se logo a falar de Petrobrasil/Petrobras e a criação de Padilha abre para as suas verdadeiras intenções: explorar o caso “Lava Jato” com sotaque de thriller colado à ideia de um roubo cuja localização não é um banco, ou a casa da moeda, mas um país inteiro.

Só que aqui seguem-se as regras normais. O espectador não vira a sua opinião para estar do lado dos supostos maus, como acontece em “A Casa de Papel”, fica sempre do lado da polícia/justiça. Quem já viu “A Casa de Papel” (quem não o fez, não desespere, isto não é um spoiler) percebeu que o inimigo são as instituições, os governos e a banca, no fundo, o sistema que está acima de tudo o resto, que joga com outras regras e cria contextos para justificar que o crime deixe de ser crime. “O Mecanismo” vem com as intenções de expor exatamente o mesmo, com o sentimento justiceiro certo, só que explora o código normal do thriller.

Volta-se a “The Wire”. A saga policial que se instala no segundo episódio de “O Mecanismo” é uma correria bem sintetizada de como apanhar os maus num jeito muito sul-americano. Monta-se uma equipa, olham-se para papéis, descobrem-se nomes, desenham-se setinhas, fazem-se escutas e entra-se em casa de supostos culpados com mandatos. O que acaba por ter alguma graça em “O Mecanismo” é que os motivos para descobrir a carapuça de alguns dos arguidos são descobertos pela forma básica como fazem alguma da trafulhice. E por básico entenda-se: a corrupção no contexto mostra-se tão fácil que nem é preciso entrar em grandes esquemas para a encobrir. E é mais ou menos aqui que o Brasil de “O Mecanismo” faz lembrar um bocadinho Portugal: como se os portugueses tivessem lá deixado uma semente de corrupção que foi a génese de tudo. A diferença? Uma questão de proporção e escala.

O mecanismo!

No terceiro ato surge um herói encapuzado. O mártir afinal não é bem mártir e Ruffo entende que para deitar o mecanismo abaixo é essencial agir sem as amarras de quem voluntária ou involuntariamente está dentro do sistema. Mas agora, o mesmo Ruffo tem capa de herói e a dada altura tem um “momento eureka!” sobre o funcionamento de tudo.

É um arranjo de Padilha para tornar tangível o funcionamento da coisa. Ruffo tem um problema no esgoto da casa. Chama o serviço responsável para tratar desses assuntos na cidade, mas o trabalho vai demorar mais tempo do que o desejado. Contacta outra pessoa, cujo nome foi dado pela empresa anterior, e a coisa parece que se pode resolver mais fácil e rapidamente. Pergunta o preço e acha exagerado. E começa a percorrer com o seu contacto o custo das coisas (material, mão-de-obra, etc.). Percebe que o valor que lhe está a ser cobrado não faz qualquer sentido. É exagerado. Grande parte do dinheiro não irá para custos nem para a mão-de-obra, mas para o tipo que passou o contacto. A lógica parece natural, até justificada, e Ruffo dá o salto dessa lógica para o funcionamento do país. Desenha as coisas num quadro e tudo.

Aí se dá a segunda derrota do protagonista. Algo que ele sabia e que ainda não tinha sido exposto de forma tão clara: o mecanismo está em todo o lado e é impossível desmontá-lo. Podem-se tirar peças mas serão trocadas por outras. É algo intrínseco ao funcionamento daquele Brasil e que funciona a todos os níveis da sociedade, favorecendo os mesmos ou, então, os que integram essa lógica. Se em “A Casa de Papel” há uma vitória contra o sistema porque se resolve lutar contra ele com as mesmas armas, em “O Mecanismo” explora-se a perpetuação do alvo que a série espanhola quis atingir.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)