Empreendedorismo

Estará o seu negócio à beira do fracasso? Este teste avisa-o

A FailProof Business Academy disponibiliza um teste "À Prova de Fracasso", uma prova de auto-avaliação com o propósito de diagnosticar o risco de fracasso de negócios e projetos.

Chamado "À Prova de Fracasso", este teste está disponível gratuitamente na página da FailProof e permite a qualquer um obter um valor de risco de fracasso de negócio numa escala de 0 a 100

Pexels

Nos últimos anos, por culpa de um boom no empreendedorismo a nível mundial e da força de locais como Silicon Valley, a figura do empreendedor tem sido vista e representada como se de uma rockstar ou super-herói à prova de bala se tratasse. Contudo, num mundo em que os casos de sucesso são apenas a “ponta do iceberg”, também os super-heróis precisam de “pendurar a capa” e avaliar se estão a utilizar os seus poderes da melhor forma. Se não o fizerem, estes “de nada lhe servem”.

Quem o diz é Pedro Colaço, fundador da FailProof Business Academy, que criou um teste para que os super-heróis do novo milénio, os empreendedores, possam tirar a capa, avaliar se os seus projetos ou negócios estão ou não em risco de fracassar e perceber como podem utilizar melhor os seus ditos “poderes”.

O empreendedor tem representado essa figura de super-herói. Tem razão de ser, mas idealiza-se demasiado. Se o super-herói não se vir ao espelho, não souber pendurar a capa e avaliar como é que utiliza os seus poderes, estes de nada lhe servem.”, considerou Pedro em conversa com o Observador.

Chamado “À Prova de Fracasso”, este teste está disponível gratuitamente na página da FailProof e permite a qualquer um obter um valor de risco de fracasso de negócio numa escala de 0 a 100, sendo 0 sinónimo de risco reduzido ou inexistente e 100 de risco elevado. Além disso, graças a um algoritmo, o teste fornece ainda uma série de dicas e conselhos relativas às áreas que foram consideradas críticas. No entanto, tudo isto só resulta se o empreendedor for honesto consigo mesmo e sobre o seu negócio: o teste de diagnóstico é de autoavaliação, e “não há outra forma de o fazer”.

O nível de conhecimento que uma pessoa externa, um consultor, tem sobre um negócio ou projeto de outra pessoa é diferente daquele que a própria pessoa tem. O fundamental é a própria pessoa confrontar-se com questões. Das duas, uma: ou a pessoa vai perceber que há áreas onde não estão tão desenvolvidos como poderiam estar, ou a pessoa de facto nem sequer chegou a colocar-se essa questão. Isso leva a que essa pessoa olhe para o espelho e se pergunte ‘agora o que é que eu vou fazer?’, o que é muito mais poderoso do que ter alguém a explicar-lhe o negócio. O empreendimento nasce de uma ideia de um empreendedor, ele é a pessoa chave. Se essa pessoa não quer mudar ou acha que não faz sentido fazê-lo, acho que dificilmente uma pessoa de fora o fará.”, disse Pedro Colaço ao Observador.

A prova está dividida em nove grupos: Mercado, Produto, Negócio, Angariação, Conversão, Retenção, Recursos, Arranque e Resultados. Cada grupo tem quatro questões, às quais se pode responder através de quatro “níveis”, dois de “discordo” e dois de “concordo”. Para receber a resposta, que é calculada com base nas “discordâncias” das respostas dadas, basta introduzir o e-mail para onde ser pretende que esta seja enviada. Fora isso, o teste é totalmente anónimo.

O importante, referiu Pedro, é que os empreendedores percebam que “eles é que estão no centro e são responsáveis” pelo seu negócio, dizendo ainda que há tendência, como acontece em “coisas do dia-a-dia”, para “responsabilizar outros ou causas exteriores”, tais como falta de financiamento ou mercado, pelos fracassos de negócios.

Enquanto as pessoas não perceberem que estão no centro, o que têm em seu controle e o que não têm, vão sempre chutar para fora. Olhar para o fracasso é sempre difícil. Os poucos que conseguem compreender que a responsabilidade é do próprio empreendedor e que a mudança está ao seu alcance vão conseguir mudar e superar, porque não estão a colocar fora de si a responsabilidade. Os que não conseguem vão ficar a desculpar-se e a culpar outros. A atitude é essencial.”, disse o fundador da FailProof.

Para Pedro, combater o fracasso passa por “nos confrontarmos com os nossos erros”, perceber “o que está mal” e fazer alguma coisa com essa aprendizagem. Por isso, cabe à pessoa que fez o teste de diagnóstico decidir o que quer fazer face aos resultados do teste da FailProof e perceber que os ditos “super-heróis” o são porque, além de terem o conhecimento necessário em áreas chave de gestão, têm “determinação e atitudes à prova de fracasso”, bem como noção dos riscos existentes.

É importante ver o que está debaixo da ponta do iceberg. Tendo uma noção mais clara, percebe-se que o risco [de fracasso] é enorme. Basta olhar para as maiores empresas do mundo para perceber que elas estão alavancadas em dívida. Vemos algumas empresas como a Uber e a Spotify, que estão alavancadas em dívida e que nunca deram lucro, mas que algum dia têm de dar, porque é insustentável.”, referiu Pedro.

Para ajudar empreendedores, a Academia disponibiliza no seu site quatro cursos, dos quais três são gratuitos, e diversas ferramentas e recursos para facilitar a resolução de problemas. Fora isso, a FailProof presta ainda serviços de “coaching” e consultoria, os quais são feitos de forma mais presencial e acompanhada.

O objetivo da FailProof, explicou Pedro, “não é criar a startup do milénio”, mas sim ajudar a que as pessoas consigam “criar um negócio sustentável e desenvolver a sua ideia numa adequação que faça sentido”. “Há muita coisa que é estratosférica e que vai acabar como a história do Ícaro, é inevitável”, disse.

A FailProof surgiu no ano passado com Pedro Colaço e teve raízes num evento internacional de origem mexicana, o FuckUp Nights, que Sofia Ferreira Simões trouxe para Lisboa em 2016. No FuckUp Nights, em vez da estratégia pedagógica, o ambiente era de conversa e partilha, do género “Fracassos Anónimos”. A última edição do FuckUp Nights Lisboa chegou aos 400 inscritos e contou com 250 participantes. A próxima está prevista para outubro (o pré-registo pode ser feito aqui).

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)