805kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Sol Rogers: "Os smartphones estão mortos, só ainda não sabem disso"

Sol Rogers é fundador da Rewind, uma das maiores empresas de conteúdos de realidade virtual e aumentada do mundo. Ao Observador, explicou porque é que o futuro vai passar pelos "smartglasses".

Solomon Rogers é fundador e presidente executivo da Rewind, uma das maiores produtoras de conteúdos para realidade virtual (RV) e aumentada para empresas. Devido ao sucesso que alcançou, é um dos responsáveis pelo BAFTA VR, a secção de realidade virtual da academia britânica de artes de cinema e televisão. No passado, teve um percurso académico, até que um dia decidiu ter uma empresa de conteúdos com efeitos especiais. Com esse salto, foi dos primeiros a dedicar-se inteiramente à tecnologia de realidade virtual e aumentada, o que fez com que tivesse clientes como a Microsoft, a Lexus, a Nike, a BBC ou a Paramount.

Ao Observador, numa passagem por Portugal, explicou que, atualmente, a Rewind é “a maior empresa a fazer entretenimento em realidade virtual para marketing”. Depois de ter apostado nestas novas tecnologias, Sol Rogers acredita que o próximo passo é juntar realidade aumentada e virtual num só dispositivo. Vai mais longe: este avanço tecnológico vai substituir os smartphones e a Apple, sem estarmos a perceber, já está à frente na corrida.

Sol Rogers (como gosta de ser tratado) esteve no espaço da Second Home em Lisboa para falar sobre o trabalho que a Rewind desenvolve e a aposta que faz nas novas tecnologias de realidade aumentada e virtual. Exemplos de como a realidade virtual faz parte do futuro não faltaram, como o Youtube, que está a dar quatro vezes mais dinheiro aos utilizadores que fizerem vídeos de realidade virtual, ou o da empresa que lhe pediu cinco mil dispositivos RV para ensinar aos funcionários o que fazer em caso de incêndio.

Sol Rogers esteve em Portugal no Second Home a convite da Embaixada do Reino Unido. Na imagem, à direita, a embaixadora Kirsty Hayes. À esquerda, Lucy Crook, responsável pelo Second Home Lisboa

Pokémon Go, mas com varinhas e feiticeiros

O Pokémon Go pôs em 2016 todo o mundo a falar de realidade aumentada. Faltam mais jogos assim?
Eles [a Niantic] já estão a preparar o próximo passo, o jogo do Harry Potter.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Vai ser ainda maior do que o Pokémon Go?
Absolutamente. Toda a gente vai andar de um lado para o outro a fazer batalhas de feiticeiros.

Harry Potter vai ter jogo ao estilo de Pokémon Go

Em matéria de realidade aumentada ou virtual, o que é que o desiludiu mais?
As montanhas russas — fazem com que as pessoas se sintam mal. Por que é que quero que essa seja a primeira experiência de realidade virtual para as pessoas? Quando alguém experimenta realidade virtual deve começar por vídeos 360 graus, depois o Tiltbrush [um videojogo em que se desenha no ar] e depois o The Lap. Experiências simples, mas que mostram o que é possível com a tecnologia.

Um dos primeiros vídeos virais do Oculus Rift, com realidade virtual e montanhas russas, de 2013

Quais os melhores óculos de realidade virtual?

Atualmente há vários produtos de RV no mercado. Qual é o melhor?
Trabalhamos com todos. A melhor forma de pensar em dispositivos de realidade virtual é como pensar num carro. Todos levam uma pessoa do ponto A ao ponto B, mas há uns que são mais eficientes, outros que são mais luxuosos, alguns são mais rápidos.

Trabalhamos com todos. A melhor forma de pensar em dispositivos de realidade virtual é como pensar num carro. Todos levam uma pessoa do ponto A ao ponto B, mas há uns que são mais eficientes, outros que são mais luxuosos, alguns são mais rápidos.

Sim, mas se tivesse de escolher só um?
O HTC Vive Pro.

Já os experimentou?
Sim, temos no escritório. São os óculos de realidade virtual com melhor qualidade. O ecrã é fantástico, a visão periférica é fantástica, o reconhecimento de movimentos é fantástico, o áudio é fantástico… Neste momento, são os melhores que o consumidor pode adquirir. O Vive normal também é muito bom, o problema é que a configuração é muito difícil. No entanto, o que recomendo aos meus amigos é o Oculus Rift.

Porquê?
São fáceis de configurar. Ótimo conteúdo e o ecossistema está a crescer muito rapidamente. O Vive tem o Vive Port [plataforma online de venda de jogos do Vive], no entanto uma pessoa tem de saber mexer minimamente bem com tecnologia para o utilizar porque é uma máquina diferente. Se fosse recomendar a um amigo que não fosse geeky dizia: “Compra um Oculus, podes ligar e começar a jogar sem problemas”. No entanto, o que acho muito interessante são os três dispositivos móveis que estão a sair: o Oculus Go, o Vive Focus (que só está disponível na China) e o Lenovo Daydream. Vão ser todos abaixo de 200 dólares e funcionam sem precisarem de smartphones ou outras coisas. Esses vão ser os grande produtos de realidade virtual este ano.

CES 2018. A maior feira de tecnologia do mundo em sete novidades

Os HTC Vive Pro foram anunciados na CES 2018, o maior evento de tecnologia do mundo

Já estão a trabalhar com estes novos produtos?
A maior parte das nossas experiências vão acontecer em plataformas móveis porque é este o mercado de realidade virtual com maior crescimento, especialmente a curto prazo. Os produtos premium, como o Vive, o Rift e o Playstation VR (PSVR) são incríveis, mas precisam de muita coisa. Precisam de espaço e de hardware extra e potente. Gostamos de trabalhar com esses equipamentos para marcas porque as nossas experiências têm como suporte este hardware mais potente. Trabalhamos também com a HP, num misto entre o móvel e o potente, com umas mochilas que servem de computador para suportar estes equipamentos mais exigentes.

Realidade virtual, aumentada, mista e real

Realidade virtual, realidade aumentada, realidade mista (termo que a Microsoft começou a utilizar em 2016), e até já se fala em extended reality (realidade estendida). Que termos devemos então utilizar?
E também se fala em RR.

RR?
Realidade real (risos). A resolução é fantástica.

Que definição devemos utilizar então? Ou é tudo diferente?
São todas diferentes, mas são uma forma de ajudar a comunicar a experiência. Quando se constrói o programa de jogo, criam-se os efeitos especiais e a interatividade. Depois, podemos utilizar os conteúdos tanto para realidade virtual, como para a aumentada, seja em que dispositivo for. Tudo isto é melhor do que os vídeos em 360 graus, nos quais não há interação. Com a realidade aumentada, há um passo à frente, no qual se adiciona um objeto digital a uma superfície real para a qual se está a olhar. O facto de a Apple e o Android terem transposto a tecnologia de realidade aumentada para os smartphones, que estão literalmente no bolso de milhares de milhões de pessoas, significa que se pode fazer chegar a realidade aumentada a todas as pessoas. Porquê? Ainda se está a decidir.

A melhor aplicação que vi para esta utilização é a do IKEA. Não faz nada, mas é mesmo boa. O que aconteceu é que o mercado, ao fazer uma aposta na realidade virtual tão rapidamente, não deixou passar o tempo necessário para o público compreender a tecnologia. O que a realidade aumentada está a fazer é a facilitar esta transição com o smartphones. No futuro, tudo passará a ser feito através de óculos, que podem ser de RV e aí também pode ser utilizada realidade mista (RM). A RM, que é realidade aumentada em headsets [capacete/óculos de RV] — que é o que o que o Hololens, a Magic Leap e a Meta estão a fazer — é um produto completamente diferente. Não se está a dizer: “Quero levar-te para outro mundo”. Está-se a dizer: “Quero adicionar um objeto ao teu mundo”.

"A Apple e o Android terem transposto esta tecnologia, de realidade aumentada para smartphones, que estão literalmente no bolso de milhares de milhões de pessoas, significa que que se pode fazer chegar a realidade aumentada a todas as pessoas"

A realidade mista quer juntar os dois termos?
A Microsoft quer ser a dona do termo e levá-lo para o seu mundo. Acredito que realidade aumentada é o que carregamos no smartphone e realidade mista são headsets.

E a definição deve ser esta?
Sim, deve ser essa. Às vezes falo com as pessoas sobre XR, e isso é sobre realidade estendida [extended reality], que engloba tudo. As pessoas ficam muito presas com acrónimos, mas o que estamos a tentar com isto é definir, de vez, os termos, para podermos comunicar melhor com o público. Como é que explico às pessoas uma coisa que é um grupo de zombies, que temos de matar com armas, a entrar num espaço mas sem estarem lá, etc. etc? O termo realidade mista serve apenas para designar a realidade aumentada [e também virtual] em headsets.

É um mercado de 404 mil milhões. Aumentar a realidade é a próxima “grande cena”?

Smartglasses, os óculos inteligentes

O que devemos esperar no futuro?
A realidade mista feita por empresas como a Meta e a Magic Leap é o futuro da humanidade. O que vamos ter com os dispositivos que estão a desenvolver é algo que vai dar realidade aumentada aos humanos, em tempo real. A tecnologia vai saber para que é que uma pessoa está a olhar e vai dar informação sobre isso. Por exemplo: abrir o capô do carro e ver que parte do motor arranjar, ensinar como se constrói uma casa, ter animais virtuais sempre ao pé de mim, ver alguém sentado à minha frente como se estivesse lá quando vai poder estar a quilómetros de distância. Já temos todo o conhecimento do mundo nos nossos bolsos. Mas ainda é preciso pegar nele, pesquisar, o passo seguinte é pôr tudo à frente dos olhos.

"A realidade mista feita por empresas como a Meta e a Magic Leap é o futuro da humanidade. O que temos com esses dispositivos é algo que vai dar realidade aumentada em tempo real aos humanos"

O que falta para isso acontecer?
O reconhecimento de voz vai ser o primeiro passo. No último ano, passou de 70% de fiabilidade para 96%. Isto em inglês. Os smartphones estão mortos, só ainda não sabem disso. No futuro, vamos ter um headphone no ouvido e tudo poderá ser controlado por voz.

Mas smartglasses como os Vuzix são realidade aumentada?
O problema que tenho com esses óculos é que não têm sensores para reconhecerem o seu redor. O que o Hololens tem é um sensor 3D que percebe o que está em redor a todo o tempo e sabe exatamente o que é que o utilizador está a ver. Isso quer dizer que pode mudar texturas e adicionar objetos. É até aí que se precisa de ir com esta tecnologia. Já com os Google Glass, que é como o Vuzix, por exemplo, utilizei dois ou três e depois nunca mais utilizei. O ecrã dá informação e até tem aumentado a produtividade em várias empresas, com o Google Glass Enterprise Edition. Mas para quem trabalha em entretenimento, é uma seca. Não é realidade aumentada ou mista.

Não subestimem os HoloLens: “É tudo verdade”

Quanto tempo temos de esperar para termos óculos verdadeiramente de realidade aumentada? Devemos acreditar em Tim Cook [da Apple] quando diz que “a tecnologia ainda não é boa o suficiente”?
A tecnologia já é boa o suficiente, mas o consumidor ainda não está preparado. A Apple podia ter disponibilizado uns smartglasses no ano passado ou no ano antes, mas ainda não o fez porque não existe mercado para isso. Ainda não existe conteúdo, porque as pessoas ainda não estão a produzir. Então o que se faz? Transformam-se todos os smartphones num kit de desenvolvimento, porque agora podem fazer realidade aumentada. Têm sensores de profundidade e movimento, podemos ter milhares de pessoas a fazer conteúdos de realidade aumentada que, depois, numa tarde, se tornam conteúdos de realidade mista. Quando a Apple lançar uns smartglasses, e a Apple vai lançar uns smartglasses, de um momento para o outro, vão ter o maior ecossistema de conteúdos de realidade aumentada, mista e virtual. O Facebook teve de investir 500 milhões de dólares para criar conteúdos, porque comprou um dispositivo [o Oculus Rift] e não havia praticamente nada para o consumidor ver. A Apple está a ser esperta e a dizer “vamos lentamente”.

Quanto tempo vai demorar até a Apple lançar uns smartglasses?
Fiz uma aposta que eles iam disponibilizar smartglasses em outubro e perdi. Acho que o que vai surgir brevemente é um acessório para o iPhone.

"Quando a Apple lançar uns smartglasses -- e a Apple vai lançar uns smartglasses -- de um momento para o outro vão ter o maior ecossistema de conteúdos de realidade aumentada, mista e virtual"

Oculus Rift, o início da nova era da realidade virtual

O que fez com que trabalhasse nestas áreas?
Comecei a minha carreira a trabalhar com jogos de computador e trabalhei para a Sony a fazer jogos para a Playstation 2.

Algum que conheçamos?
Um é o Getaway, que é como que um precursor do Grand Theft Auto (GTA). Saíram mais ou menos ao mesmo tempo [o Getaway era para sair em 2000, mas saiu no final de 2002 juntamente com o GTA Vice City]. Eram concorrentes, o Getaway teve bastante sucesso, porque o cenário era uma recriação da cidade de Londres. Depois comecei a trabalhar como professor universitário, uma profissão que exerci durante 12 anos. Fui professor em quatro cursos, supervisionei dois programas de mestrado e alguns doutoramentos. Ensinei 1.300 alunos ao todo. Atualmente, qualquer empresa de filmes, jogos ou só de informática tem alunos que passaram por mim e tenho muito orgulho nisso.

Mas chegou a doutorar-se?
Não, apenas supervisionei alguns programas. Tenho uma licenciatura e mestrado. Pediram-me várias vezes para fazer um doutoramento, mas não queria estar a explicar-me perante alguém com 100 mil palavras sobre um tema.

E depois da faculdade?
Depois, percebi que ia morrer no melhor trabalho do mundo, porque se trabalha apenas meio ano, é-se muito bem pago e passa-se muito tempo com jovens entre os 18 e os 20 e tais a fazer jogos de computador, filmes e efeitos especiais. Foi em 2011 que comecei uma empresa na qual agregava todas as coisas que estava a ensinar. Comecei de forma muito pequena, apenas eu. Depois, contratei um amigo para trabalhar comigo, depois outro e outro…

Isto na One Dead Pixel?
Exato, esse era o nome da empresa original, antes da Rewind. Existiu durante pouco tempo, quando ainda estava a aprender o que é que uma empresa podia ser. Estava focado em marketing e animação para negócios. Criei a One Dead Pixel com um amigo e trabalhámos aí durante um ano. Depois, cada um seguiu o seu caminho. Ele queria focar-se noutras áreas e eu em efeitos especiais, animação e filmes. Depois, comecei a fazer o que adoro, que é CGI [efeitos especiais criados em computadores] de alta qualidade para animação. Isso foi o início do que é atualmente a Rewind. Até a empresa arrancar, foi mais ou menos um ano. Éramos cinco e tínhamos já alguns trabalhos importantes. Trabalhámos para a Rare [empresa de videojogos], com a Jaguar, com a Microsoft. Percebemos que há muita concorrência na indústria de efeitos especiais, há muitas pessoas e empresas a querer trabalhar neste negócio.

A diferença é que tinha uma grande paixão por tecnologia e pelo lado criativo. É preciso utilizar as novas tecnologias que temos disponíveis porque o mundo está em constante mudança. Basta ver casos como o da Second Home. Negócios como este não existiam há três/quatro anos e agora um espaço como este está cheio. Por causa disso, mudei o foco para marketing digital experimental. Um dos primeiros trabalhos foi o trabalho que fizemos com o lançamento da Xbox One, em Berlim. Outra das primeiras coisas que fizemos foram toldos de sol que eram automóveis. Eram coisas com muito valor de marketing — com muito talento criativo — e isso funcionou muito bem nos primeiros anos. E depois o DK1 saiu [a primeira versão dos óculos de realidade virtual Oculus Rift].

Um dos primeiros trabalhos da Rewind. Uma experiência interactiva com um ecrã com o videojogo de corridas Forza Motorsport 5, que foi um dos títulos de lançamento da Xbox One, a consola de jogos da Microsoft.

Está a falar dos Oculus Rift, correto?
Exato. Investi no projeto do Kickstarter do Oculus Rift logo no primeiro dia porque tive a sensação que era algo que ia fazer parte do futuro da nossa espécie. Quando o recebemos estávamos a trabalhar com a RedBull e mostrei-lhes o que a tecnologia podia fazer. Aí disse-lhes: “Posso utilizar isto para os vossos desportos e permitir que as pessoas sejam um dos vossos atletas”. Graças a isso, o primeiro evento em que trabalhámos com realidade virtual foi o Red Bull Air Race.

E qual foi a reacção da Red Bull quando lhes mostrou os óculos de realidade virtual?
Eles nunca tinham visto nada assim. Ninguém tinha visto nada assim. Mostrei-lhes o que a tecnologia podia fazer e fui a uma pequena reunião com um representante da RedBull. No final, todos os que estavam no escritório quriam experimentar os Oculus Rift. Isto porque faz aquela coisa mágica da RV: levar para outro lugar. Mesmo aí, com o primeiro hardware, sem reconhecimento de localização, sem conteúdos, punha-se os óculos e acreditava-se que se estava noutro lugar. Foi aí que percebi que aquilo era o futuro. Isto há coisa de cinco anos. Ainda trabalhamos com a Red Bull atualmente, agora em realidade aumentada também, com o Microsoft Hololens. Mas vamos a todas as corridas e, no ano passado, a de Lisboa foi a etapa mais popular de toda a série.

Mas porquê o investimento tardio em realidade virtual?
A realidade virtual existia mais ou menos nos anos de 1980 e 1990, mas era terrível. Era como se a indústria tivesse dito para si própria que ia ficar no canto do castigo e só voltaria quando percebesse o que tinha feito, como se fosse uma criança mal comportada. Por causa disso, demorou 20 anos a voltar. Foi esse o tempo que foi preciso para termos a tecnologia certa. Teve alguma graça que tenha voltado através do Palmer Luckey e de um pequeno Kickstarter que impulsionou a energia que se sente atualmente.

"A realidade virtual existia mais ou menos nos anos de 1980 e 1990, mas era terrível. A indústria como que disse para ela [a realidade virtual] ficar no canto do castigo e só voltar quando percebesse o que tinha feito, como se fosse uma criança mal comportada."

Devemos então agradecer a tecnologia a Palmer Luckey e ao Oculus Rift?
(risos) Devemos-lhes agradecer, mas o que eles fizeram foi o rascunho. Eles são uma empresa fantástica e fazem um trabalho incrível. Especialmente com o Facebook, por quem foram comprados. Mas a verdade é que já tínhamos todos os componentes. Estava-se só à espera de uma faísca para começar o movimento. Estávamos a fazer muito nas universidades e na indústria militar, por exemplo. Algumas empresas de design também estavam a utilizar a tecnologia. No entanto, ninguém tinha pensado em juntar tudo como o Oculus fez.

Qual foi o primeiro trabalho que fizeram para o Red Bull Air race?
No caso do Air Race, o que eles queriam era vídeos em 360 graus, mas achámos que o truque estava na interatividade e que isso precisava de funcionar a partir de software feito para videojogos. O que fizemos foi construir toda a experiência em três dimensões desde o início, mas depois pegámos em ferramentas que permitem aos jogos de computador serem interactivos. O que fizemos para o Red Bull Air Race foi uma experiência que punha o utilizador num cockpit virtual, mas os movimentos que faz são os mesmos de um piloto na vida real.

Mas é diferente a experiência em realidade virtual…
Não há forças G na realidade virtual. Por isso, temos de ser cautelosos com a forma como se simula. Se o cérebro vê movimento e não o sente desliga-se da experiência. E é por isso que as pessoas ficam enjoadas com a realidade virtual. Há muitas empresas a fazer cadeiras que se movem com o utilizador para atenuar a experiência.

As salas “arcade” de realidade virtual

Em Portugal, abriu a primeira experiência arcade de RV, a Zero Latency. Eles utilizam o OSVR, mas não têm latência zero. O que pensa destas experiências de realidade virtual?
O que a Zero Latency, ou a Void e até muitos parques de diversões, estão a fazer é o Holodeck [sala de hologramas e experiências virtuais da série de ficção científica Star Trek]. Um espaço onde qualquer um pode ir, juntamente com amigos, e ser transportado para outro sítio. É preciso lembrar que, atualmente, a tecnologia existente de realidade virtual é como os telemóveis dos anos 1980: não são suficientemente bons, todos precisam de ser melhorados.

Quem perceba mais de tecnologia vê onde a realidade virtual ainda falha, mas se puser, por exemplo, o meu avô a experimentar o que existe, ele simplesmente adora aquilo. Ele não pensa em resolução, eles apenas sentem que estão dentro do “Star Wars”. Penso que o LBE [Location Based Entertainment: entretenimento em espaço físico próprio], que é o caso do Zero Latency, é uma das apostas deste ano para levar as pessoas a experimentar o que a realidade virtual pode fazer.

Fomos à primeira sala de jogos em realidade virtual portuguesa e matámos zombies

Isto no nível premium, que referia há pouco.
Sim, no nível premium e que vai afetar o mercado do consumo doméstico de realidade virtual ao longo do tempo. O PSVR vai continuar a ter a maior adoção dentro destes dispositivos. Até ao Natal, já existiam no mercado três milhões de unidades. Isto porque, dos premium, são os mais fáceis de configurar.

"Atualmente a tecnologia existente de realidade virtual é como os telemóveis dos anos de 1980. Não são suficientemente bons. Todos precisam de ser melhor"

Estão a trabalhar com tecnologia LBE de realidade virtual?
Sim, para um cliente. O facto de ser uma experiência que pode ter mais do que um jogador ao mesmo tempo e as pessoas poderem tocar-se torna a experiência mais interessante. O problema que empresas de LBE, como a Zero Latency, vão ter é que, apesar de terem o espaço e o hardware, vão começar a precisar de conteúdo. Aí vêm falar com empresas como a Rewind para pedir os nossos jogos. Sejam quais forem: My Little Pony Racer ou Orc Giant Killer (risos), o que precisarem. Vamos começar também a fazer conteúdos que eles possam utilizar.

Então vale a pena investir em realidade virtual LBE?
É uma decisão difícil. Não sei se investiria nesse negócio. Se já se tem um espaço, seja um bar ou outra coisa, é uma forma fácil de atrair clientes. Agora, começar do nada, é capaz de ser mais arriscado. Quando já se tem o hardware é mais fácil. Por exemplo, tudo o que é feito na Rewind é digital. Não temos um armazém, não temos problemas em enviar os conteúdos. O problema nestes negócios LBE é que depois de se arranjar o hardware o que se faz quando existir um updateMas estamos a ver outros equipamentos a aparecer que mostram uma evolução na indústria. Tudo era ligado com fios, até à CES em que a Vive disse que ia ter uma experiência sem fios.

O que é latência?

Mostrar Esconder

É o tempo que demora até a imagem de um aparelho de realidade virtual ou aumentada reagir aos movimentos do utilizador e ser vista pelos olhos. Quanto mais rápido for, melhor é o sistema de realidade virtual. O objetivo da latência nestes dispositivos é estar o mais perto do 0, ou seja, de a imagem demorar 0 segundos a ser processada pela máquina e chegar ao visor (segundo a física é impossível ser 0, mas atualmente já se consegue que este processo seja feito em milissegundos).

Já a experimentaram? O que acharam da experiência?
Sim, é bom. Acrescenta alguns milissegundos à latência, porque não pode quebrar as regras da Física (risos). Temos de renderizar [fazer a conversão de um objeto em 3D para uma representação em 2D] a imagem, comprimi-la, enviá-la para o dispositivo, descomprimi-la outra vez e mostrá-la. Mas isto acrescenta apenas um bocadinho de tempo. No meu caso, noto porque já estou muito habituado a RV, mas não fiquei enjoado.

Sendo a Rewind uma empresa britânica, como é que o Brexit tem afetado ou já afetou a Rewind?
Por um lado, sinto que com o Brexit abandonámos a Europa. Sinto que devíamos ter ficado com a Europa. Precisamos de menos fronteiras, não de mais. Como empresário, penso que agora estamos bem. Mas durante uns tempos foi complicado, mais de 30% da nossa equipa é internacional e são europeus (franceses, polacos, alemães, etc). Estava preocupado com deportações, mas isso não vai acontecer. Vamos ficar bem. Não nos afetou e não mudou o nosso negócio. Penso que no futuro não vá alterar a forma como fazemos negócio. Não exportamos camiões de produtos, por isso ultrapassar fronteiras não é algo que nos afete. Há algumas leis da União Europeia que espero que possamos manter, para salvaguardar alguns direitos. Estou desapontado pelo que aconteceu no país com o Brexit, porque é uma coisa má para o Reino Unido, a longo prazo. Para um negócio como o da Rewind, apenas pode significar mais burocracias.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar

19 MAIO 2024 - SEDE OBSERVADOR

Atos de vandalismo não nos calarão.

Apoie o jornalismo que há 10 anos se pauta pela liberdade de expressão e o nunca vergar por qualquer tipo de intimidação.

Assine 1 ano / 29,90€ Apoiar

MELHOR PREÇO DO ANO

Ao doar poderá ter acesso a uma lista exclusiva de benefícios

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar

19 MAIO 2024 - SEDE OBSERVADOR

Atos de vandalismo não nos calarão.

Apoie o jornalismo que há 10 anos se pauta pela liberdade de expressão e o nunca vergar por qualquer tipo de intimidação.

Assine 1 ano / 29,90€

MELHOR PREÇO DO ANO