Uma série de objetos que pertenceram a Amílcar Cabral foram entregues às Forças Armadas da Guiné-Bissau pelas autoridades da Guiné-Conacri e agora podem ser vistos no Museu Militar em Bissau, situado na fortaleza de Amura.

O conjunto de objetos entregues, a 13 de abril, incluiu a máquina de escrever de Amílcar Cabral, bem como armários, rádios, quatro cadeiras de madeira, uma mesa e até um antigo aparelho de ar condicionado.

“O nosso chefe do Estado-Maior das Forças Armadas já deu orientações para preparar vitrinas transparentes onde vão ser instaladas todas estas peças ao lado da rádio de libertação para permitir aos visitantes ver como é que era o gabinete do camarada Amílcar Cabral”, afirmou o major Quintino Napoleão dos Reis, um antigo combatente da Guiné-Bissau, que acompanha as visitas ao Museu Militar.

As peças vão integrar o Museu Militar que já recebeu quase cinco mil visitantes desde a sua inauguração a 24 de setembro de 2017.

O museu retrata a história da luta pela independência da Guiné-Bissau em três fases e além dos objetos que pertenceram a Amílcar Cabral, que incluem o seu automóvel, os visitantes podem também ver armamento utilizado pelos antigos combatentes durante a guerra.

“Para visitar o Museu Militar na Fortaleza de Amura, onde funciona o Estado-Maior das Forças Armadas, não é preciso fazer muitas burocracias. Se for instituição ou organização, pode enviar uma notinha pedindo autorização e acesso para visita”, individualmente as pessoas podem pedir autorização ou simplesmente dirigir-se à porta da Amura e pedir para visitar o museu, explicou o major Quintino Napoleão dos Reis.

Amílcar Cabral, conhecido como o pai das independências da Guiné-Bissau e Cabo Verde, foi morto a 20 de janeiro de 1973 na sua residência em Conacri.