Rádio Observador

Congresso do PS

Costa não quer congresso do PS a “olhar para o drama de hoje”

108

É no futuro e não no presente que o líder socialista quer ver focado o congresso do partido, numa altura em que o PS volta a ser agitado pelo ex-líder Sócrates. PS-Lisboa quer acordo com esquerda.

LUSA

Regressado do Canadá, onde esteve em visita oficial durante o mais recente drama socialista do abandono de José Sócrates, António Costa fez questão de sublinhar o que não quer ver debatido no próximo congresso do PS: “O drama de hoje nem a questão que se vai colocar amanhã”. O líder socialista considera que o partido pode, no congresso do final deste mês, “fazer algo que é essencial na política” e isso passa por “olhar para o horizonte de médio e longo prazo”. Mesmo assim, pouco depois, ouviu uma preocupação sobre o assunto do momento entre os socialistas que o ouviam na sessão de esclarecimento.

No discurso que fez aos militantes da capital do país, numa sessão no Fórum Lisboa, o socialista apresentou a moção, mas também deu as indicações para o que deve ser o próximo congresso socialista e isto numa altura em que o partido volta a viver tempos turbulentos com origem no ex-líder Sócrates. Sem nunca referir o caso ou o ex-líder, o secretário-geral socialista disse que “não faz sentido que o congresso seja sobre o presente, mas sobre o futuro do nosso país”. E ainda disse mais sobre o atual momento socialista:

O PS pode fazer algo que é essencial na política. Não ter de olhar para o drama de hoje nem para a questão que se vai colocar amanhã, mas podermos olhar para o horizonte do médio e longo prazo”

Na sala, na sessão de perguntas de militantes ao líder que se seguiu à porta fechada, um militante ainda suscitou a questão Sócrates, expressando preocupação com o julgamento público do antigo secretário-geral do partido, de acordo com fontes que assistiram a esta parte da reunião. A resposta de Costa manteve-se colada ao discurso “à Justiça o que é da Justiça”, repetindo a ideia que ninguém está acima da lei, nem o próprio primeiro-ministro. Já não repetiu a frase da passada quinta-feira sobre os casos de justiça a envolverem ex-governantes socialistas (Manuel Pinho, além de Sócrates): “Se essas ilegalidades se vierem a confirmar, serão certamente uma desonra para a nossa democracia”. Depois de dois dias de declarações socialistas que já iam neste mesmo sentido, Sócrates anunciou a sua desvinculação do PS.

Já no tal horizonte a “médio e longo prazo”, Costa vê dois combate eleitorais que quer ter preparados antecipadamente, voltando a referir a importância das duas convenções socialistas que tem alinhadas para preparar os programas das eleições Europeias e das Legislativas, uma em maio e outra em junho. Até porque, se considera que “hoje em Portugal se vive melhor do que se vivia há dois anos e meio”, também diz que “isto não significa que o trabalho esteja acabado”.

PS-Lisboa defende acordos com a esquerda

Agora o tempo é de receber contributos. E o que recebeu na sala que tão bem conhece dos tempos de autarca (é onde se reúne a Assembleia Municipal de Lisboa) foi no sentido da esquerda. Na intervenção que antecedeu a de Costa, o líder da federação distrital de Lisboa do PS, Duarte Cordeiro, foi claro na opção que quer ver seguida pelo partido no futuro: “É à esquerda que temos de ir buscar as forças para executar este programa e será à direita que temos de combater”.

E o socialista disse-o precisamente depois de referir o acordo na descentralização que o Governo fez com o PSD. Duarte Cordeiro elogiou a postura socialista, mas para logo a seguir sublinhar o que diz ver na moção que Costa leva ao congresso socialista e que tem as bases do futuro socialista: “Se pensarmos nos desafios que a moção de António Costa destaca, nas políticas públicas que implica, percebemos que será à esquerda que temos de ir buscar as forças para executar este programa e será à direita que temos de combater”. Foi o momento da intervenção do líder do PS-Lisboa que arrancou mais palmas da assistência.

A favor da esquerda, Duarte Cordeiro ainda acrescentou outra ideia, que a direita tem usado para diabolizar a atual solução governativa, garantindo que “os entendimentos, os programas políticos de esquerda não são apenas de vacas gordas“. Na argumentação contra o fantasma do despesismo de esquerda — de que Rui Rio tem sido um dos atuais agitadores –, o dirigente socialista diz que “as políticas de esquerda mantiveram durante muito tempo as vacas gordas” e que, por isso mesmo, há que “construir capacidade de reformar à esquerda, porque a reforma não é uma palavra do centro nem da direita. Também é uma palavra de esquerda e temos de incentivar um programa de esquerda com reformas de esquerda”.

O socialista disse, aliás, muito mais que Costa neste capítulo, defendendo que “a força do PS neste governo residiu na sua capacidade de manter o seu programa de Governo mas com negociações e entendimentos à esquerda”. Mas de António Costa não ouviu uma palavra sobre este assunto, apenas elogios à capacidade que o PS teve de “construir no Parlamento uma solução política maioritária que tem assegurado estabilidade e que tem permitido que cumpramos todos os compromissos assumidos com portugueses, parceiros parlamentares e internacionalmente seja com a NATO seja com a União Europeia”.

Costa ainda falou na descentralização, que acordou com Rui Rio, como a “pedra angular da reforma do Estado” e nas políticas de habitação como a prova que estavam “enganados” os que acharam os socialistas estavam “satisfeitos, ao fim de dois anos, e que estavam prontos para partir para outra. Continuamos com a mesma energia do primeiro dia”, garantiu o líder socialista na sua intervenção inicial. Sobre o programa de habitação que apresentou em abril, disse que esta vai ser “a marca da nova política pública que esta legislatura vai deixar para o futuro do país”, definindo como objetivo chegar a “2025 e comemorar os 50 anos do 25 de Abril com nenhuma das 26 mil famílias que vivem em condições precárias sem ter acesso a uma habitação digna”.

Neste capítulo ainda atirou forte ao Governo anterior, ao dizer que pretende “acabar com um dos maiores dramas sociais que o governo PSD e CDS legaram que foi uma lei das rendas injustas e desumana, que nem os idosos poupa à especulação imobiliária“.

Artigo atualizado às 00h15 com uma informação posterior aos discursos, na sessão à porta fechada

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rtavares@observador.pt
Maioria de Esquerda

Geringonças e blocos centrais /premium

João Marques de Almeida
102

Depois da sua posição, se quiser ser coerente (não é evidente que queira), Rio terá que defender um referendo à eutanásia. Os temas de consciência individual não podem ser decididos só pelos deputados

Política

Portugal: um país anestesiado

José Pinto
193

A um país anestesiado basta acenar com o Simplex, versão revisitada. Ninguém vai questionar. A anestesia é de efeito prolongado. O problema é se o país entra em coma.

Política

Bem-vindo Donald Trump, António Costa merece!

Gabriel Mithá Ribeiro
154

A direita em Portugal, e o PSD muito em particular, nunca foram capazes de afirmar um discurso sociológico autónomo. CDS-PP e PSD insistem em nem sequer o tentar, mesmo quando se aproximam eleições.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)