Rádio Observador

Caso José Sócrates

Miguel Sousa Tavares fala em linchamento público de Sócrates, mas também lhe pede explicações

935

O comentador disse que não gosta "de ver uma pessoa que já está caída a ser atacada por todos os lados", mas diz que Sócrates "devia começar por explicar porque decidiu viver à conta do amigo"

Andre Kosters/LUSA

Miguel Sousa Tavares considerou esta segunda-feira que as declarações de várias individualidades do Partido Socialista (PS) sobre José Sócrates são um “linchamento público” do ex-primeiro ministro. Durante o seu espaço de opinião no Jornal da Noite da SIC, o comentador sublinhou que não gosta “de ver uma pessoa que já está caída a ser atacada por todos os lados” e depois ser “abandonada e atacada pelo que resta. Mas não deixa de, depois de muito o defender, também lhe pedir contas.

Para Miguel Sousa Tavares, agora que entregou o cartão de militante do partido, José Sócrates “devia começar por explicar porque decidiu viver à conta do amigo”, mas reconhece que o simples facto de o ter feito “não é crime”, tal como já defendeu o antigo deputado socialista Arons de Carvalho.

Com este comportamento por parte do PS — de Ana Gomes, de Carlos César, de António Arnaut e sobretudo João Galamba — aquilo que aconteceu foi um linchamento popular de José Sócrates”

https://observador.pt/2018/05/03/joao-galamba-e-o-caso-socrates-obviamente-envergonha-qualquer-socialista/

Miguel Sousa Tavares defendeu ainda que, para o PS, o caso que envolve o ex-secretário-geral do partido “era muito difícil de gerir a partir do momento em que José Sócrates foi preso, com as suspeitas gravíssimas que pesavam sobre ele”. “António Costa começou por dizer aquilo que era básico: ‘à justiça o que é da justiça à política o que é da política’, mas devia ter começado por afirmar que o partido e o país exigiam que a justiça fosse rápida e pedir que o julgamento se fizesse no tribunal e não na rua, perante a opinião pública. Acabamos por assistir a um julgamento popular de José Sócrates, independentemente da culpabilidade ou não”.

O comentador pensa que o momento escolhido pelo PS para falar sobre José Sócrates se deve ao facto de “vir aí o congresso” e daqui a um ano haver eleições: “O PS quer limpar roupa suja antes de ir a eleições. É um momento de oportunismo eleitoral que corresponde a um de linchamento popular”.

Júdice. Sócrates “nunca foi apenas uma extremidade no PS

Um “abalo sísmico muito forte e, como sempre acontece, propício a sequelas ou réplicas”. É assim que José Miguel Júdice, na sua opinião publicada no jornal Eco intitulada “A gangrena política”, qualifica o “abandono de Sócrates pelo PS”, que na sua perspetiva “causou o abandono do PS por Sócrates”. O advogado e antigo Bastonário da Ordem dos Advogados defendeu que o PS devia ter reagido “pelo menos logo após a divulgação da acusação do Ministério Público ou deveria ter esperado ao menos pela pronúncia do Juiz de Instrução”.

Júdice acredita que a saída de Sócrates do partido tem “tudo para falhar”. E apresenta uma justificação: “Pois é inegável que ele nunca foi apenas uma extremidade no PS. O advogado acredita que “se falhar, apenas vai acentuar o processo de gangrena no corpo socialista”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)