Caixa Geral de Depósitos

Caixa Geral de Depósitos lucra 68 milhões. Comissões subiram quase 14%

216

Banco público teve lucros de 68 milhões no 1º trimestre. Foi um trimestre de "clara progressão no caminho da rendibilidade, eficiência e qualidade dos ativos". Comissões em Portugal subiram 13,8%

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

O banco público teve lucros de 68 milhões no primeiro trimestre, confirmando que a Caixa “está no caminho da rendibilidade, eficiência e qualidade dos ativos“, afirma o banco em comunicado. A Caixa Geral de Depósitos já tinha tido lucros nas contas anuais (de 2017) mas no primeiro trimestre do ano passado o banco público ainda não tinha invertido a tendência dos prejuízos — no primeiro trimestre de 2017 os prejuízos tinham ascendido a 39 milhões, que agora se transformam em lucros de 68 milhões.

“Após a conclusão com sucesso do 1º ano do Plano Estratégico CGD 2020, a CGD inicia 2018 com um trimestre de clara progressão no seu caminho de rendibilidade, eficiência e qualidade de
ativos”, afirma o banco em comunicado enviado ao regulador do mercado português, a CMVM.

O banco público teve mais lucros no primeiro trimestre do que em todo o ano de 2017, quando teve um resultado positivo de 52 milhões.

O principal fator que justifica os lucros está ligado ao aumento da margem financeira, que em Portugal aumentou 6,1% (contudo, nas contas consolidadas, o indicador baixou 1%, devido a efeitos cambiais devido à desvalorização das moedas em Macau e Angola).

Mas as comissões cobradas também ajudaram: esse indicador aumentou 9,4%, em termos consolidados, o que corresponde a 9,9 milhões de euros. Nas comissões só na CGD Portugal há um aumento de 13,8% — segundo o banco o principal efeito vem do aumento da atividade de seguros (onde há um acordo de bancassurance com a Fidelidade), atividades de títulos e ativos, e “comissões diversas”.

A Caixa é o banco que cobra menos comissões no sistema bancário português”, afirmou Paulo Macedo.

O aumento das comissões — que Paulo Macedo garantiu que não será repetido — está “em linha” com o plano estratégico que está a ser cumprido pelo banco após a recapitalização pública feita no ano passado, que permitiu ao banco reconhecer imparidades de crédito. O rácio de créditos problemáticos (empréstimos não performantes) já está ligeiramente abaixo dos 12% acordados com a Comissão Europeia no âmbito da recapitalização pública.

O banco reduziu, também, os custos de estrutura em 9,2% — foi possível cortar 30 milhões em custos totais. A Caixa teve custos de 297,5 milhões, mas houve custos não recorrentes (de 58,5 milhões) com o programa de redução de pessoal — mas já havia uma provisão constituída para este efeito, desde 2017.

A Caixa Geral de Depósitos indicou que o grupo reduziu em 250 o número de trabalhadores em Portugal no primeiro trimestre. No final de março, a CGD tinha 8.071 funcionários na atividade doméstica, o que significa menos 250 face aos 8.321 trabalhadores que tinha no fim de 2017. Paulo Macedo indicou que essas foram saídas por reformas ou reformas antecipadas mas adiantou, também, que já houve 100 pessoas que mostraram interesse no programa de saídas por mútuo acordo, o que deixa o responsável confiante de que o processo de redução de pessoal já tem os objetivos garantidos e irá decorrer “serenamente”.

Sigilo bancário. “Não discriminem a Caixa”

Na conferência de imprensa de apresentação dos resultados trimestrais, Paulo Macedo não quis dar sequência a questões relacionadas com o tema do sigilo bancário, defendendo que é necessário esclarecer que “ninguém está a falar em acabar com o sigilo bancário”. Está-se a falar, diz Paulo Macedo, de haver outras situações em que pode haver derrogações do sigilo bancário — além daquelas que já estão previstas na lei e que já resultaram, só desde o ano passado, em 9.600 informações pedidas pelas autoridades no âmbito dos cenários hoje previstos pela lei.

Se vai haver uma alteração, “a Caixa irá cumprir até à exaustão”. Paulo Macedo pediu, contudo, que “a Caixa não deve ser discriminada negativamente. Porque se isso acontecer os clientes também vão discriminar a Caixa negativamente”.

Sobre o requerimento dos comunistas para que seja divulgada a lista de devedores da banca que foi intervencionada pelo Estado, Paulo Macedo diz que se a “legislação for aprovada a Caixa cumprirá”. Contudo, “mais uma vez, não há possibilidade de haver essa informação em termos públicos”, como já indicou Carlos Costa, o governador do Banco de Portugal.

Outra medida controversa é a possível introdução de uma bolsa de crédito para os devedores de créditos cujo spread é tão baixo que não faz chegar o juro total a zero, ficando em terreno negativo. Paulo Macedo indicou que na Caixa o impacto dessa medida “não será significativo” porque só afetará os clientes que tenham um spread negociado a rondar os 0,4 pontos, pelo que “estamos a falar dos melhores clientes da Caixa”.

Os administradores do banco público aproveitaram, também, esta conferência de imprensa para anunciar que foi obtida uma autorização das entidades europeias que pode permitir que a Caixa possa poupar, “em breve”, entre 17 milhões e 20 milhões de euros. Em causa está a segunda emissão de dívida perpétua em mercado, que deverá rondar os 450 milhões (além dos 500 milhões que já foram emitidos), mas que passará pela emissão de um instrumento de categoria Tier 2, e não Tier 1. Isso permitirá evitar pagar juros superiores a 10% como aconteceu na primeira emissão e poupar, assim, entre 3,5 e 4 pontos percentuais em juros.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Orçamento do Estado

Um marco orçamental histórico /premium

Luís Aguiar-Conraria

Ter um défice permanente de 0% é tão contracionista (ou expansionista) como um défice permanente de 3%. Por uma razão simples: o que é expansionista ou contracionistao são as variações do défice..

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)