O presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, propôs a realização de uma cimeira trilateral com Washington e Pyongyang para que formalmente se possa pôr fim à Guerra da Coreia. As declarações surgiram como resultado da reunião entre os dois líderes coreanos este sábado.

“Se a cimeira [entre os EUA e a Coreia do Norte] for um êxito, deveremos avançar para a realização de uma outra trilateral com as duas coreias para que se possa pôr fim à guerra”, afirmou este domingo Moon numa conferência de Imprensa.

Moon Jae-in explicou aos jornalistas o conteúdo da reunião que teve sábado, de surpresa, com Jong-un e na qual os dois se comprometeram a cooperar para que a cimeira entre Washington e Pyongyang, prevista para dia 12 de junho em Singapura, “seja um êxito”. Moon e Kim encontraram-se, pela segunda vez em um mês, por duas horas, na militarizada fronteira entre os dois países.

Líderes coreanos em encontro não anunciado para discutir cimeira com Donald Trump

Os líderes das duas Coreias, ainda em guerra tecnicamente, celebraram uma primeira cimeira a 27 de abril, tendo então feito uma declaração em que se comprometiam a trabalhar para alcançar a “total desnuclearização” da península coreana. O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, no entanto, tem dúvidas sobre que garantias de segurança podem os EUA dar em troca da desnuclearização, revelou Moon Jae-in.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Kim Jong-un tem intenções sérias sobre a completa desnuclearização da península coreana. As suas dúvidas não são sobre isso, mas sobre as políticas hostis de Washington e sobre se os EUA podem realmente garantir a estabilidade do regime”, afirmou Moon Jae-in numa conferência de imprensa hoje em Seul.

Segundo as fotografias divulgadas pelo gabinete presidencial, o encontro que mantiveram os dois líderes na zona norte da chamada Zona de Segurança Conjunta contou também com a presença dos chefes da inteligência (serviços secretos) de ambos os países, Suh Hoon (Sul) e Kim Yong-chol (Norte).